SEDE - ILHA DO FUNDÃO - Funcionamento: das 8 às 16h - Praça Jorge Machado Moreira, s/n Cidade Universitária, 21941-592, RJ - Tels: 21 3194-7100 - 3194-7101

SUBSEDE - PRAIA VERMELHA - Funcionamento: das 8 às 16h - Av. Pasteur, 250 fundos

22290-140 - Urca - Tel: 21 2542-9143

EM DEFESA DOS HOSPITAIS PÚBLICOS UNIVERSITÁRIOS DA UERJ E DA UFRJ: MEXEU COM UM, MEXEU COM TODOS!

 

Alegando falta de condições práticas de ensino, falta de insumos, falta de pessoal, falta de leitos e atraso no pagamento das bolsas de ensino, o MEC suspendeu a realização de concursos para a residência médica* nos Hospitais Públicos Universitários Pedro Ernesto (UERJ) e Clementino Fraga Filho (UFRJ), como se isso expressasse uma crise de gestão nessas unidades hospitalares, quando, na verdade, revela um tenebroso projeto de governo para provocar a "privatização" desses hospitais.

 

Tudo para atender os interesses privados do "mercado", em detrimento dos interesses públicos da sociedade.

 

Desde a Reforma Administrativa ocorrida em 1995, sob inspiração das diretrizes neoliberais do Banco Mundial, que o SUS vem sofrendo ataques sistemáticos nos seus Princípios, na sua estrutura, na sua gestão pública e na sua natureza de direito fundamental de caráter social.

 

Nesse sentido, os Hospitais Públicos Universitários, Federais e Estaduais, vêm sofrendo um sucateamento progressivo, encontrando enormes dificuldades para aperfeiçoar o seu parque tecnológico e assegurar que não faltem insumos, materiais de consumo, alimentos, medicamentos e tudo o mais necessário à boa prestação dos serviços públicos de saúde. Além disso, a deliberada restrição de abertura de concursos públicos para a reposição e composição do quadro de servidores públicos estatutários nesses hospitais acabou por criar um modelo inconstitucional de contratos temporários de trabalho, impossibilitando a construção de um corpo clínico estável nessas instituições, em todas as áreas profissionais da saúde, bem como de pessoal das áreas administrativas.

 

Estrangula-se o financiamento público dessas instituições; criam -se dificuldades, as mais diversas, para o atendimento das legítimas reivindicações; ignora-se a realidade estampada à frente do governo, e tão constantemente mostrada nas emissoras de TV; e afirma -se, então, que o problema está no modelo de gestão desses hospitais.

 

Afirma-se que a redução do número de leitos hospitalares é em razão da má gestão.

 

Ou seja, propaga-se que somente uma gestão privada poderia resolver tudo isso: privatização como solução.

 

Quanta falta de vergonha dessa gente!

 

Como podem ser tão hipócritas e continuarem sorrindo!?

 

Na verdade, riem da gente, zombam de nós.

 

Inicia-se, a partir daí, uma grande campanha veiculada nos principais instrumentos de comunicação do país (jornais, revistas, rádio e televisão) de que os servidores públicos estatutários da saúde não trabalham, ganham muito e não são demitidos, de modo a criar no imaginário coletivo da população de que o governo é bom e os servidores públicos é que são o mal nessa história, quando, na verdade, população (pacientes), estudantes e servidores públicos das áreas da saúde são todos igualmente vítimas de um governo covarde, que mente com convicção, que rouba por compulsão e que destrói, por opção, tudo aquilo que possa trazer benefícios sociais para toda a gente.

 

Mas, claro, essa gente do governo não se considera gente. Eles se reconhecem como sendo de uma outra natureza: a natureza dos ungidos para a impunidade, dos nascidos para o cinismo.

 

Assim, formam uma casta de perversidade, que se autoprotege e se coloca a serviço do capital e do mercado, é jamais do pobre e sofrido povo brasileiro.

Acabar com o SUS é missão dessa gente. Privatizar os Hospitais-escola é intenção dessa gente.

 

Importante salientar que essa gente está presente em todos as esferas da federação e se revela como agente político em todos os Três Poderes da República, além de outras instituições.

 

Na verdade, o que o governo pretende com esta medida é, por meio de um constrangimento ilegal, imoral e impróprio, pressionar a UFRJ a firmar contrato com a EBSERH - Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - e pressionar a UERJ a aceitar que o seu Hospital Universitário seja transformado em Fundação Pública de Direito Privado, ou tenha a sua gestão terceirizada para uma Organização Social, ou seja transferido para uma EBSERH estadual.

Tudo isso visando quebrar a Autonomia Universitária e acabar com a carreira pública estatuária dos profissionais da saúde desses hospitais, não importando as graves consequências negativas para a formação acadêmica de todos os estudantes das áreas da saúde dessas Universidades, nem com o prejuízo para a assistência em saúde da população com essa atitude tão afastada da razão, e tão próxima da desumanidade.

 

A resistência dos Reitores, servidores públicos e estudantes dessas Universidades merece todo o nosso aplauso e reconhecimento.

 

Mais do que isso: exige que todos nós - Reitores, servidores públicos estatutários e estudantes das áreas da saúde - tenhamos a coragem e a responsabilidade de nos colocarmos de mãos dadas com todos eles no front dessa luta, na defesa desses bens públicos da sociedade - Universidades Públicas e Hospitais Públicos Universitários -, mostrando, com determinação inegociável, àqueles que nos governam, que a Universidade tem dono, o Hospital Universitário tem dono, o SUS tem dono; e que o dono deles todos somos nós - o povo brasileiro.

 

Esse crime de Estado contra os direitos humanos à educação e à saúde tem que parar!

 

Wladimir Tadeu Baptista Soares

Advogado

Médico do SUS

Professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense - UFF

Niterói - RJ

wladuff.huap@gmail.com