Resistência na Alerj

Deputadas negras eleitas em outubro dizem que o desafio é enfrentar a barbárie

Os desafios que duas mulheres negras eleitas em outubro vão enfrentar no plenário da Assembleia Legislativa, numa conjuntura adversa para a pauta dos interesses populares, foi o tema da roda de conversa organizada pelo Sintufrj – como atividade do Mês da Consciência Negra.

 

Nascida e criada na Maré, Renata Souza (PSOL), a parlamentar mais votada no campo da esquerda (63 mil votos), sintetizou o tamanho do risco: “impedir que a barbárie vire política pública” será o desafio.

 

Quando o governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, põe na pauta a política de extermínio para enfrentar a violência, e tem irrestrito apoio do presidente eleito, o cenário temerário se apresenta.

 

Mônica Francisco (PSOL), com base de atuação no Morro do Boréu, compartilha das preocupações de Renata. Mas observou um contraponto no cenário. Segundo ela, a eleição de mais mulheres negras é a resposta social aos que repugnam corpos negros nos espaços de poder.

 

Impedir a barbárie é o desafio

Mulheres negras falam do desafio da atuação no Parlamento estadual

 

Mas a deputada eleita diz que a representatividade dos mandatos só se justifica se for lastreada nas pautas que defendem.

 

A presença das duas futuras parlamentares marcou o encerramento das atividades do recém-criado Departamento de Raça e Gênero, criado pelo Sintufrj. Noemi de Andrade, diretora, e Denise Góes, ativista do movimento negro, conduziram, na quinta-feira 22, o encontro com Renata e Mônica Francisco.

 

Além do debate, uma oficina de turbante enfeitou com adereços coloridos várias mulheres presentes ao evento. Exposição de peças artesanais com motivos afros e uma feijoada fizeram parte do cardápio.

 

O bloco afro Agbara Dudu, fundado em 1982, em Madureira, encerrou as atividades. No repertório, canções tradicionais africanas. “É uma alegria muito grande estar aqui, trazendo muita música e arte para o público”, disse o componente do grupo Julvano Martins.

 

Aliança progressista

 

Renata Souza, que foi aluna da UFRJ e estagiária do Sintufrj, teme que o medo seja a mola condutora da barbárie enquanto política de Estado.

Ela aposta, no entanto, na formação de um campo progressista para conseguir barrar os retrocessos e as ações parlamentares que possam vir a ferir a integridade física e moral dos indivíduos pertencentes às minorias sociais.

 

Ela lamenta também o cerceamento e as ameaças que pairam sobre a autonomia dos professores e deseja que a universidade seja o universo da cidade, não fechada em si.

 

Para Mônica, o período que é anunciado para o Rio de Janeiro e para o Brasil exigirá de nós  muitos esforços para garantir a manutenção dos direitos conquistados. “As instituições de educação passam por uma desqualificação dos processos intelectuais, onde se filma professores e tentam cercear o pensamento crítico”, afirmou.