Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Petroleiros preparam greve nacional por salários e dignidade

 

Mais de 700 trabalhadores do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), na Cidade Universitária da UFRJ, participaram na terça-feira, 15, pela manhã, da assembleia realizada pelo Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindpetro-RJ). A categoria em todo o país está em Campanha Reivindicatória com vistas a um novo Acordo Coletivo de Trabalho – cuja pauta foi entregue à Petrobras no dia 15 de março –, e contra a destruição e o desmantelamento da maior empresa pública do país.

Com a intermediação do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a direção da petrolífera quer impor uma contraproposta rebaixada aos petroleiros. O clima em todos os setores da estatal é o pior possível, com ameaças e intimidações de gerentes e chefias. São muitas as denúncias de assédio moral contra as trabalhadoras e trabalhadores, numa tentativa de inibir a deflagração de greve nacional a qualquer momento pela categoria, se o impasse perdurar.

Voto em urna  

Como está ocorrendo em todos os setores e turnos da Petrobras, os trabalhadores do Cenpes votaram se aceitam ou rejeitam a contraproposta TST/Petrobras em urna. A medida está sendo adotada pelos sindicatos da categoria, entre os quais o Sindpetro-RJ, para impedir o controle e o voto de cabresto dos gerentes. “A tradição de participação e mobilização dos trabalhadores de áreas operacionais e administrativas são bens distintas. Por isso, é bom que saibamos que neste momento, em todo o país, a direção da Petrobrás e demais executivos turistas pagos a peso de ouro, contam conosco, do administrativo, para jogar para trás a luta coletiva”, alerta a direção sindical no Rio de Janeiro.

A greve não é de marajás!

Sindpetro-RJ

A Petrobrás lucra bilhões por ano, acumula uma reserva de caixa também da ordem de bilhões… de dólares. E quem produz 100% desse lucro? Nós, os trabalhadores. E sabe quanto a Petrobrás retorna para nós? Menos de 10%. Nossos benefícios e salários refletem de forma rebaixada o caráter dessa empresa, seu lucro, a produtividade e a luta dos seus trabalhadores. Segundo o Dieese,  a Petrobras é hoje a empresa do ramo de setor de óleo e gás que tem a menor remuneração por empregado comparado a outras empresas do setor, ficando atrás da BP, Equinor, Shell e Total. O empobrecimento da categoria petroleira, como o de qualquer categoria, tende a piorar a situação do país.

Somos cerca de 61 mil trabalhadores por todo o país e nossos salários são revertidos para as economias locais. Consumimos produtos, usamos restaurantes, pagamos escolas, etc. Isso movimenta a economia brasileira. A redução proposta em nossos salários é para favorecer a quem nada produz, como os grandes especuladores do mercado de ações ou os executivos de aluguel a peso de ouro, que pousam temporariamente na empresa e sugam mais do que doam. Também é para subornar licitamente os gerentes da Petrobrás, através de bônus (renda variável-PRVE). E mais, qual o compromisso dos grandes acionistas em reverterem dinheiro em investimento produtivo, se a lógica do capital especulativo é justamente ganhar dinheiro sem nada gerar? Ainda que alguns poucos invistam parte em algo produtivo, quem disse que isso seria no Brasil, se muitos são estrangeiros?

CENTENAS DE TRABALHADORES PETROLEIROS se reuniram em assembleia no Centro de Pesquisa da Petrobras (Cenpes II) na Cidade Universitária da UFRJ, no Fundão. Lição de luta
COMENTÁRIOS