País na corrida pela vacina contra a Covid-19

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Os responsáveis por dois dos projetos mais avançados para fabricação de vacina contra o coronavírus, o da Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca, e o da chinesa Sinovac, realizarão em milhares de brasileiros os testes da fase 3, última etapa antes da homologação. Esse procedimento faz parte do acordo com dois dos maiores produtores de vacinas do Brasil, Bio-Manguinhos, da Fiocruz, e o Instituto Butantan, de São Paulo.

O governo de São Paulo deve começar a testar a vacina chinesa Sinopec em 9 mil voluntários em 20 de julho. Para o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, com os dois testes em larga escala em território nacional, “aqui no Brasil, nesse momento, é depositada a esperança de boa parte do mundo”.

A Fiocruz firmou acordo com a AstraZeneca para compra de lotes e a transferência de tecnologia da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford. “Como instituição estratégica do Estado brasileiro, a Fiocruz carrega 120 anos de experiência de atuação na saúde pública. Num momento como esse, de emergência sanitária, já temos uma infraestrutura robusta e com capacidade produtiva para incorporar novas tecnologias e introduzir novas vacinas rapidamente no Sistema Único de Saúde (SUS)”, afirmou a presidenta da instituição, Nísia Trindade Lima.

Vai demorar
A chegada da vacina para ser aplicada à população ainda percorrerá um longo caminho, disse o coordenador do GT Coronavírus da UFRJ, Roberto Medronho. O que deve ser destacado, segundo ele, é que o país está participando deste esforço graças aos institutos de pesquisa que são referência mundial na área: Bio-Manguinhos, da Fiocruz, e o Instituto Butantan, do Estado de São Paulo. “Isso mostra também a importância da ciência brasileira no cenário internacional”.

Medronho explicou que, no caso da vacina de Oxford, a Fiocruz conseguiu uma negociação muito importante para transferência de tecnologia: “Se a vacina for exitosa, o Brasil incorporará essa tecnologia e nós passamos a produzir para nossa população e eventualmente para o mundo, como fazemos com a vacina conta a febre amarela” (A Fiocruz produz 80% da vacina da febre amarela que é distribuída no mundo).

“Mais uma vez as instituições públicas mostram que, mesmo sem atenção adequada por parte das autoridades, a despeito de uma verdadeira cruzada contra a ciência e de muitas vezes ficarmos estagnados com o subfinanciamento, conseguimos dar respostas poderosas para a nossa população”, disse Medronho, acrescentando que o Brasil possui um Programa Nacional de Imunização (PNI) totalmente público, com vacinas gratuitas, considerado um dos melhores do mundo.

Para o infectologista e professor da Faculdade de Medicina da UFRJ, tudo isso mostra a importância do Sistema Único de Saúde, público, de qualidade e que possa dar conta de momentos como a pandemia do coronavírus. “Temos um número elevado de mortos e seria muito pior não tivéssemos o SUS, que está salvando muitas vidas”, concluiu.

 

Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ

 

COMENTÁRIOS