Projeto idealizado e coordenado por técnica-administrativa é premiado pela Prefeitura do Rio

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Projeto idealizado e coordenado pela técnica-administrativa Marize Figueira de Souza de apoio à produção cultural foi condecorado com a medalha da Ordem do Mérito Cultural Carioca de 2020. A cerimônia no Palácio da Cidade estava prevista para esta segunda-feira, 1º de março, dia em que se comemora o aniversário da cidade do Rio de Janeiro.

O projeto faz parte do Núcleo de Apoio à Produção Cultural da UFRJ (Naprocult), que é coordenador pela produtora cultural e integra a superintendência do mesmo nome na Pró-Reitoria de Extensão (PR-5), responsável pela organização dos grandes eventos na universidade, como a Semana de Integração Acadêmica, Semana Nacional de Ciência e Tecnologia ou o Conhecendo a UFRJ.

Como funciona – Marize Figueira ingressou na UFRJ em 2012. Em 2018, criou o projeto na PR-5. “Damos consultoria gratuita, tanto para o público externo como para o interno da UFRJ. A maioria dos atendidos são agentes culturais, artistas, estudantes, professores, entre outros, que desejam desenvolver projetos na área da cultura, mas não têm conhecimento técnico necessário para elaborar projetos e editais. Então, a equipe ajuda esclarecendo as dúvidas sobre orçamento, cronogramas, potencializando o alcance dos projetos para conseguirem fomento. Procuramos, inclusive, atender pessoas de outros municípios e estados”, explica a coordenadora.

Desde o início da pandemia do coronavírus no Brasil, o Naprocult tem apoiado inumerosos projetos, muitos dos quais contemplados com os recursos emergenciais da Lei Aldir Blanc.

A honraria é concedida a personalidades, coletivos ou instituições que, pela contribuição à cultura, foram fundamentais para reduzir o impacto da pandemia da Covid-19 na cidade. Dos mais de 600 indicados pelas redes sociais à Secretaria Municipal de Cultura, foram escolhidos 18, dentre os quais artistas como Moacyr Luz e Tereza Cristina e ativistas como René Silva, fundador da ONG Voz das Comunidades.

 

Divulgação do atendimento remoto do Naprocult durante a pandemia, com a coordenadora e Produtora Cultural Marize Figueira e os estudantes da UFRJ extensionistas do projeto: Beatriz Louise (Artes Visuais), Juliana Arruda (Publicidade e Propaganda), Natália Cavarra (Relações Internacionais) e Daniel Lopes (Serviço Social).

COMENTÁRIOS