Covid: 3.869 mortos e 90,6 mil novos casos no dia mais letal da pandemia no Brasil

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Pelo segundo dia consecutivo, Brasil quebra recorde de mortes; Bolsonaro, sem máscara, esbraveja contra lockdown

Matéria retirada do site da Rede Brasil Atual. 

Pelo segundo dia consecutivo o Brasil registra recorde de mortes pela covid-19. Foram 3.869 vítimas registrada em 24 horas, de acordo com o balanço desta quarta-feira (31) do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass). Com isso, o país supera a marca de 320 mil mortes.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, foram 321.515 vidas perdidas para o vírus. Assim, mesmo sem contar a ampla subnotificação, o Brasil deve retomar até amanhã o posto de segundo país com mais mortes, atrás apenas dos Estados Unidos.

Na última semana, México havia passado o Brasil, em uma recontagem de vítimas no país. O governo local resolveu admitir que as mortes em excesso registradas, mesmo sem realização de testes para a covid-19, seriam relacionadas à pandemia.

Caso o Brasil fizesse o mesmo movimento, seriam mais de 410 mil mortos, de acordo com cálculos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Conass, a partir de estimativas conservadoras.

Também nas últimas 24 horas, houve o registro de um número elevado de novos infectados. Esse aspecto revela que a pandemia segue descontrolada no Brasil, como afirmam institutos de referência para a covid-19. E está assim desde o fim do ano passado.

O avanço resulta no atual padrão elevado de mortes diárias, com consecutivo colapso do Sistema de Saúde do país. Nas palavras da Fiocruz, trata-se da “maior crise sanitária e hospitalar da história”.

Foram 90.638 novos casos nesta quarta (31). Com isso, o país chega a 12.748.787 pessoas contaminadas.

Em relação à média diária de casos e mortes, os dados do Conass revalidam a sentença de que este é o pior momento, com folga, do surto no Brasil. Em média, por dia nos últimos sete dias, morreram 2.977 pessoas e se infectaram 75.616.

Sem mudança

Cientistas cravam que grande parte das mortes por covid-19 no Brasil seriam evitáveis, bem como os prejuízos econômicos poderiam ser mitigados. Isso, caso o governo federal, comandado por Jair Bolsonaro (sem partido), tivesse adotado uma postura de enfrentamento ao vírus.

Entretanto, a realidade desde o início da pandemia foi distinta. Bolsonaro age de forma sistemática para impedir o combate ao coronavírus, bem como dificultou o acesso do país às vacinas, ridicularizou o uso de máscaras, minimizou a doença, e chegou até a dizer “e daí?” para as mortes em escalada.

Após pressão de amplos setores da sociedade, o governo mudou ligeiramente sua postura ao defender a aplicação de vacinas. Bolsonaro era contra a imunização, inclusive divulgando mentiras sobre perigos inexistentes relacionados aos fármacos.

Hoje, no entanto, o presidente voltou a seguir na contramão da ciência e até mesmo de seu novo ministro da Saúde (quarto desde o início da crise), Marcelo Queiroga.

Durante a primeira reunião de um comitê de crise formado por Congresso e governo, criado na semana passada, Queiroga, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (DEM-AL), foram unânimes em defender medidas para frear a covid-19, incluindo isolamento social.

Mas, minutos depois, Bolsonaro concedeu uma coletiva, sem máscara, para atacar governadores que adotam medidas protetivas aos cidadãos, que envolvam distanciamento. “Não é ficando em casa que nós vamos solucionar este problema”, disse, contrariando mais uma vez a ciência.

Palavra da OMS

Na prática, além de tentar impedir que governadores e prefeitos adotassem medidas para proteger a população, Bolsonaro adotou um discurso único durante toda a pandemia: o da defesa de medicamentos comprovadamente ineficazes contra o vírus, como a cloroquina, a ivermectina e outros compostos do chamado “kit covid”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), que já havia descartado a cloroquina após uma série de estudos realizados em todo o mundo, reiterou hoje que não indica a ivermectina. O medicamento é um dos mais comentados em redes bolsonaristas, e de acordo com hospitais como o da Unicamp, já provocou mortes pelo seu consumo em excesso que provoca problemas hepáticos.

“Nossa recomendação é não usar ivermectina para pacientes com covid-19, independentemente do nível de gravidade ou duração dos sintomas”, disse Janet Díaz, chefe da equipe de resposta clínica à covid-19 da OMS.

 

 

COMENTÁRIOS