A proposta do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) apresentada pela reitoria ser√° submetida √† aprecia√ß√£o do Conselho Universit√°rio na¬† sess√£o desta quinta-feira, 8 de abril. Durante o per√≠odo no qual o documento foi aberto √† consulta p√ļblica, o Sintufrj encaminhou contribui√ß√Ķes, com destaque para a cria√ß√£o do Conselho Superior de Administra√ß√£o e Gest√£o de Pessoal ‚Äď reivindica√ß√£o antiga do movimento organizado da categoria.

Ao se debru√ßar sobre o documento inicial do PDI ‚Äď que ganhou publicidade em outubro de 2020 ‚Äď chamou aten√ß√£o da dire√ß√£o do Sintufrj a aus√™ncia de qualquer men√ß√£o ao Plano de Desenvolvimento da carreira dos TAEs. Este ponto concentrou outro item de propostas do sindicato a ser incorporado ao plano que orienta estruturalmente a vida da universidade.¬†

O sindicato tamb√©m rejeitou a terminologia expressa no PDI que grafa ‚ÄúPlano Desenvolvimento de Pessoas (PDP) da UFRJ”. ‚ÄúCompreendemos que a Pr√≥-reitoria √© de Pessoal, n√£o de Pessoas, porque √© uma pol√≠tica de pessoal, entendida enquanto coletivo de trabalhadores e n√£o como indiv√≠duos na institui√ß√£o‚ÄĚ, diz o texto proposto pelo Sintufrj, solicitando a altera√ß√£o da nomenclatura apresentada no documento da reitoria.

Entre as contribui√ß√Ķes encaminhadas pelo Sintufrj, h√°, ainda, a determina√ß√£o para se abra a possibilidade de atua√ß√£o dos t√©cnicos-administrativos na coordena√ß√£o de a√ß√Ķes de pesquisa e extens√£o.

500 p√°ginas

O texto do PDI para o per√≠odo 2020/2024 que ser√° debatido pelos conselheiros na sess√£o de quinta-feira √© um calhama√ßo de 521 p√°ginas com 14 t√≥picos,¬† entre os quais ¬īperfil institucional, projeto pedag√≥gico, cronograma de implanta√ß√£o de cursos, gest√£o e organiza√ß√£o administrativa (estrutura e pr√≥-reitorias), perfil do corpo t√©cnico-administrativo, pol√≠tica de atendimento a docentes, servi√ßos terceirizados, infraestrutura e instala√ß√Ķes acad√™micas, avalia√ß√£o e acompanhamento do desenvolvimento institucional, aspectos financeiros e or√ßament√°rios, processo de revis√£o do PDI, e plano para gest√£o de risco.

Aqui voc√™ encontra a √≠ntegra das considera√ß√Ķes e propostas apresentadas pelo Sintufrj ao PDI https://sintufrj.org.br/wp-content/uploads/2020/12/PDI-Sintufrj-2020-Revisado.pdf

 

 

 

A Coordena√ß√£o de Pol√≠ticas de Sa√ļde do Trabalhador (CPST/PR4) organiza o debate com participa√ß√£o da educadora f√≠sica do Espa√ßo Sa√ļde do Sintufrj, Carla Nascimento. O encontro ser√° nesta ter√ßa-feira, 6, √†s 10h, com transmiss√£o ao vivo no YouTube e Facebook do sindicato, n√£o perca!

 

 

 

 

 

Marca é superada após a semana mais letal da pandemia. Foram quase 20 mil mortos em sete dias. Enquanto isso, vacinação segue a passos lentos

Matéria retirada do site da Rede Brasil Atual

O Brasil ultrapassou nesta segunda (5) a marca de 13 milh√Ķes de infectados por¬†covid-19. Com acr√©scimo de 28.645 novos casos registrados nas √ļltimas 24 horas, o pa√≠s chegou a 13.013.601 impactados diretos pelo coronav√≠rus. Isso, sem levar em conta com¬†ampla subnotifica√ß√£o, j√° que a quantidade de testes realizados sempre foi insuficiente de acordo com a demanda. N√£o foram contabilizados os dados do Cear√°, por problemas t√©cnicos no envio dos dados do dia.

Tamb√©m nas √ļltimas 24 horas, foram 1.319 mortos notificados ao Conselho Nacional de Secret√°rios de Sa√ļde, o Conass. O¬†n√ļmero √© elevado¬†para uma segunda-feira, j√° que existe uma defasagem de dados no in√≠cio da semana, devido a um menor corpo de profissionais ativos aos domingos, em especial em laborat√≥rios. O erro tende a ser corrigido nos dias seguintes. Agora, desde o in√≠cio da pandemia, em mar√ßo de 2020, o Brasil soma 332.752 mortos.

N√ļmeros da covid-19 no Brasil. Fonte: Conass

A¬†RBA¬†utiliza informa√ß√Ķes fornecidas pelas secretarias estaduais, por meio do¬†Conass. Eventualmente, elas podem divergir dos informados pelo cons√≥rcio da imprensa comercial. Isso em fun√ß√£o do hor√°rio em que os dados s√£o repassados pelos estados aos ve√≠culos. As diverg√™ncias para mais ou para menos s√£o sempre ajustadas ap√≥s a atualiza√ß√£o dos dados.

Semana letal

A √ļltima semana foi marcada por dois movimentos em rela√ß√£o √† covid-19. Foi a com maior n√ļmero de mortos; foram registrados 19.643 v√≠timas. Neste per√≠odo, o Brasil se manteve como epicentro da pandemia no mundo, com mais de um ter√ßo de todas as mortes do planeta. Em contrapartida, houve uma redu√ß√£o no n√ļmero de novos casos. A m√©dia se manteve elevada, mas inferior √†s √ļltimas tr√™s semanas.

Foram registrados 463.235 doentes, diante de 539.903 da semana anterior. A√ß√Ķes de isolamento promovidas por governadores e prefeitos podem ter influ√™ncia nesta conta. Uma redu√ß√£o no cont√°gio tende a refletir no arrefecimento das mortes dentro de, no m√≠nimo, 14 dias, per√≠odo em que a covid-19 tende a se revelar com gravidade. Embora exista uma aparente redu√ß√£o nas infec√ß√Ķes, a ordem da ci√™ncia √© pela manuten√ß√£o, e at√© endurecimento, de medidas de distanciamento. A covid-19 est√° fora de controle no Brasil desde o fim de 2020, e assim segue, de acordo com o Imperial College de Londres.

Tratamento perigoso

Com taxa de letalidade de 2,6% dos casos,¬†80% dos intubados no Brasil morrem, sendo que a m√©dia mundial √© de 1% de letalidade e 50% em rela√ß√£o aos intubados. O quadro grave do Brasil √© agravado por uma ampla dissemina√ß√£o de desinforma√ß√£o, que levou, inclusive, muitos brasileiros a se medicarem com compostos comprovadamente ineficazes contra a covid-19. A grande fonte das mentiras relacionadas com os tratamentos da covid-19 foi o governo federal, do presidente Jair Bolsonaro, que adotou uma saga messi√Ęnica em defesa de medicamentos como cloroquina e ivermectina. Al√©m de ineficazes, tais f√°rmacos produzem efeitos colaterais severos.

Hospitais refer√™ncia, como o Hospital da Unicamp, em Campinas, interior de S√£o Paulo, j√° relataram mortes ligadas ao excesso de ivermectina. Apoiadores de Bolsonaro passaram a tomar o medicamento em doses altas de forma indiscriminada, a partir da influ√™ncia do pol√≠tico. Em¬†levantamento do jornal¬†O Globo, no per√≠odo da pandemia, houve aumento de 558% nos casos de rea√ß√Ķes adversas relacionadas √† cloroquina e √† hidroxicloroquina.

Vacinas

De acordo com dados do Minist√©rio da Sa√ļde, foram distribu√≠das 42.956.226 doses de vacinas em todo o pa√≠s. Destas, cerca de 80% s√£o da CoronaVac, vacina do Instituto Butantan, rejeitada e atacada por Bolsonaro desde o per√≠odo de elabora√ß√£o. Aplicadas, foram 21.070.128. Entre os estados que mais vacinou est√° S√£o Paulo, com 6.660.492 doses aplicadas. O estado tamb√©m √© o mais afetado do pa√≠s, com 2,5 milh√Ķes de infectados e 77 mil mortos.

Diante da comunidade internacional, o processo de vacina√ß√£o no Brasil segue lento. Com 9,91% de brasileiros tendo tomado ao menos uma dose, o pa√≠s est√° atr√°s proporcionalmente de pa√≠ses como Rep√ļblica Dominicana, Rom√™nia, Pol√īnia, Eslov√™nia, Hungria, Uruguai e Chile. A lentid√£o j√° levou brasileiros residentes pr√≥ximos da fronteira com o Uruguai e que possuem dupla cidadania a buscar imuniza√ß√£o no pa√≠s vizinho. Por l√°, 22,6% j√° receberam ao menos uma dose, e o processo de imuniza√ß√£o √© abrangente, envolvendo inclusive os mais jovens.

 

Mais da metade dos domicílios brasileiros vivencia algum nível de insegurança alimentar

Matéria retirada do site Brasil de Fato. 

Cerca de 19 milh√Ķes de pessoas passaram fome durante a¬†pandemia do coronav√≠rus no Brasil. Uma pesquisa realizada entre outubro e dezembro do ano passado¬†mostra que¬†mais de 116¬†milh√Ķes de pessoas¬†conviveram com algum grau de inseguran√ßa alimentar no per√≠odo.

Isso significa que mais da metade dos domicílios brasileiros sofreu algum tipo de privação. Segundo o estudo da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN), o índice exato de famílias nessa situação chegou a 55,2%.

A conclus√£o √© de que o aumento da fome no Brasil est√° mais acelerado nos √ļltimos anos. Entre 2018 e 2020 a alta foi de¬†27,6% ao ano.¬†Entre¬†2013 e 2018, esse ritmo n√£o passava de¬†8%.

N√£o √© de agora que o alerta sobre o problema passou a ser preocupa√ß√£o de organiza√ß√Ķes e movimentos sociais. Em¬†2018, a ActionAid j√° chamava aten√ß√£o para as consequ√™ncias do¬†empobrecimento acelerado da popula√ß√£o.

Aliado ao desmonte de institui√ß√Ķes promovido pelo governo, √†¬†devasta√ß√£o ambiental e ao¬†agravamento das mudan√ßas clim√°ticas, o¬†cen√°rio faz v√≠timas principalmente entre as popula√ß√Ķes mais vulner√°veis e n√£o √© fruto apenas da crise do coronav√≠rus.

Segundo o professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, especialista em segurança alimentar e coordenador Rede PENSSAN, Renato Maluf, não há indícios de que a situação melhorou este ano.

“A nossa pesquisa, embora tenha revelado um indicador alto, ela ainda pegou a presen√ßa do aux√≠lio emergencial. Se tivesse sido feita sem o aux√≠lio seria pior. Temos todas as raz√Ķes para achar que nesses primeiros meses do ano a situa√ß√£o se agravou”, afirma ele.

O especialista afirma ainda que nenhum dos fatores que influencia na seguran√ßa alimentar das fam√≠lias melhorou nos √ļltimos meses. Entre eles est√£o as garantias de emprego e renda, cada vez mais enfraquecidas.

“Outro indicador indireto √© verificar como aumentaram as manifesta√ß√Ķes de preocupa√ß√£o em rela√ß√£o √† fome e as a√ß√Ķes de solidariedade. Ent√£o, seja pelo agravamento dos determinantes, seja pela maior presen√ßa do tema nos debates p√ļblicos, tudo nos leva a crer que a situa√ß√£o s√≥ fez piorar.”

Para conter o aumento¬†fome no Brasil, Renato Maluf¬†aponta que √© preciso a retomada imediata do aux√≠lio emergencial, com valor suficiente para que a ajuda ao sustento das fam√≠lias seja efetiva. “Esse aux√≠lio que o governo est√° retomando essa semana n√£o vai dar para muita coisa”, alerta ele.

Além disso, é necessário trabalhar politicamente para a retomada do emprego e preservação dos pequenos negócios. Em longo prazo, é preciso iniciativas mais fortes nas políticas de abastecimento.

“Apoio¬†√†s iniciativas de aproxima√ß√£o de produtor e consumidor, circuitos curtos de produ√ß√£o, circula√ß√£o e comercializa√ß√£o de alimentos. Existem centenas de iniciativas pelo Brasil nessa dire√ß√£o, √© preciso agora que essas a√ß√Ķes sejam fortalecidas e cheguem √†s periferias”, completa Renato Maluf.

O¬†Inqu√©rito Nacional sobre Inseguran√ßa Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil¬†utilizou a mesma metodologia adotada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estat√≠stica (IBGE) desde 2004, classificando a popula√ß√£o brasileira conforme suas condi√ß√Ķes de seguran√ßa e inseguran√ßa alimentar.

 

 

 

O Sintufrj retomou o atendimento presencial, de modo parcial, ou seja, com n√ļmero reduzido de trabalhadores administrativos por plant√£o e seguindo todos os protocolos de seguran√ßa sanit√°ria exigidos na pandemia da Covid-19.

Mas, atenção: o atendimento é realizado somente na sede do Sintufrj, na Cidade Universitária, no Fundão, e tem que ser agendado.

O agendamento será feito pelos telefones informados no site do Sintufrj, de segunda a sexta, das 9h às 12h e das 13h às 17h.

28,86%: agendamento pelo site do Sintufrj

Quem n√£o conseguiu ‚ÄĒ apesar das orienta√ß√Ķes e o passo a passo dispon√≠veis no site da entidade ‚ÄĒ realizar os procedimentos necess√°rio (via a internet) para a a√ß√£o dos 28,86% que a Justi√ßa reconheceu o direito ao pagamento dos atrasados, n√£o pode deixar de agendar o atendimento presencial, pelos telefones (21) 3194-7121/3194-7141 ou acessando no site do Sintufrj (www.sintufrj.org.br) o link¬†https://sintufrj.org.br/atrasados-dos-2886/

Nesse link https://sintufrj.org.br/atrasados-dos-2886/ a direção sindical disponibilizou um tutorial para acesso ao Portal referente à ação dos 28,86% para dar inicio à fase de execução individual, que necessita de autorização (procuração/contrato) e outros documentos.

Ajuda necessária 

Segundo a coordenadora de Administração e Finanças do Sintufrj, Maria Angélica da Silva, embora a maioria dos servidores tenha conseguido realizar o procedimento on line para os atrasados dos 28,86%, houve quem não conseguiu, por exemplo, digitalizar e anexar a documentação, além daqueles que não têm acesso a computador.

Agora, quem est√° com dificuldades tem a oportunidade de realizar presencialmente, na sede do Sintufrj, o procedimento dos atrasados dos 28,86%. Bastando para isso agendar o atendimento para que tudo se d√™ de maneira a garantir a sa√ļde de todos.

‚ÄúA pessoa somente ser√° atendida se estiver usando m√°scara e no hor√°rio combinado. Para a seguran√ßa da sindicalizada e/ou sindicalizado e do funcion√°rio do Sintufrj (que tamb√©m estar√° usando m√°scara), o atendimento se dar√° em ambiente totalmente higienizado (conforme orienta a OMS) e equipado com √°lcool em gel. O atendimento √© individual‚ÄĚ, acrescenta a dirigente sindical.

‚ÄúFale conosco‚ÄĚ continua valendo

O atendimento √†s servidoras e servidores sindicalizados por telefone segue normalmente. Portanto, o deslocamento at√© √† sede do Sintufrj deve ocorrer somente se houver necessidade de ajuda presencial para obter a presta√ß√£o de servi√ßo. Ficar em casa e n√£o correr riscos continua sendo a palavra de ordem do momento. Pela nossa sa√ļde e pela da coletividade.

‚Äú√Č importante frisar que a pessoa deve solicitar atendimento presencial apenas quando n√£o houver alternativa, principalmente se ela ou ele tiver que utilizar transporte coletivo. Procure sempre solucionar sua demanda por telefone‚ÄĚ, reitera Maria Ang√©lica.