Voluntários são a força no combate à Covid

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, em março do ano passado, a UFRJ está atuando no combate à Covid-19 em várias frentes. E deste esforço coletivo participam, anonimamente, técnicos-administrativos, estudantes e professores que integram a comunidade universitária, como também de outras instituições.  

Estão cadastrados como voluntários na UFRJ 2.541 pessoas desde o mês de abril de 2020. Este contingente tem sido fundamental para a produção dos dois tipos de álcool consumidos na pandemia: em gel e 70%, e de equipamentos de proteção individual (EPIs). Também estão presentes no trabalho de  distribuição de quentinhas e, atualmente, na campanha de vacinação contra a Covid-19. 

São 350 voluntários que todos os sábados de vacinação drive-thru nos campi da UFRJ na Cidade Universitária e Praia Vermelha, Sambódromo, Centro do Rio e Planetário da Gávea permanecem em pé das 8h às 15h, ajudando na organização das filas e na aplicação do precioso líquido que salva vidas. 

Responsável pelo voluntariado

A idealizadora do Programa de Voluntariado da UFRJ é a diretora Escola de Enfermagem Anna Nery (Eean), Carla Araújo. Ela faz parte da força-tarefa da universidade que compõe o Grupo Multidisciplinar de Enfrentamento à Covid-19. 

“O voluntariado tem sido uma das coisas boas que temos vivido nesta pandemia. É com a disponibilidade que se possibilita aos alunos, professores e técnicos-administrativos descobrirem juntos o exercício da responsabilidade social e da cidadania. E  com o nosso conhecimento podemos contribuir para a melhoria da saúde da população”, resumiu a diretora. 

O trabalho anônimo, sem remuneração alguma, tem sido um importante reforço nas ações empreendidas pela universidade no atual momento, acrescentou. “No dia 27 de março, no Sambódromo, vacinamos 910 pessoas. Os voluntários são fundamentais em todo o processo de vacinação. Sem eles teríamos mais filas e o tempo de atendimento seria muito maior”, afirmou. 

Segundo Carla Araújo, que é enfermeira, o trabalho voluntário realizado pela comunidade universitária tem tido o reconhecimento da população, e de uma forma muito peculiar: 

“Vemos a gratidão da população na nossa ação em saúde, que é possibilitada também pelo SUS. Recebemos bilhetes nos agradecendo e desejando saúde, e, na Páscoa, chocolates. Estamos fazendo história e fazendo parte desta história.” 

 

COMENTÁRIOS