Trabalhadores p√ļblicos federais, estaduais e municipais de todo pa√≠s, de pelo menos 25 estados e Distrito Federal, iniciaram na noite desta quinta-feira, 29, um encontro nacional que vai se estender at√© esta sexta-feira, 30 de julho. O evento √© virtual e tem o objetivo de definir estrat√©gias para barrar a proposta de reforma administrativa de Guedes/Bolsonaro ‚Äď PEC 32/2020 ‚Äď que tramita no Congresso Nacional.

Cerca de 2 mil servidores se inscreveram para o ‚ÄúEncontro Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Setor P√ļblico‚ÄĚ, cuja abertura foi √†s 19h de quinta-feira, 29, com transmiss√£o p√ļblica pelo Facebook e o Canal no YouTube “Contra a PEC 32”. O evento foi organizado pela CUT e demais centrais sindicais, e¬† pelas entidades que representam o funcionalismo.

Objetivo

O encontro vai organizar um forte plano de lutas e uma ampla mobiliza√ß√£o nacional contra a PEC 32 ‚Äď com press√£o total aos parlamentares ‚Äď e pode decidir tamb√©m a deflagra√ß√£o de uma greve geral dos servidores p√ļblicos das tr√™s esferas de governo que est√° sendo proposta pelo F√≥rum das Centrais Sindicais.¬†

Nesta sexta-feira, 30, às 9h, o encontro prossegue via a plataforma Zoom, com a realização da plenária de organização do Plano Nacional de Mobilização e seu lançamento às 17h em live ao vivo e divulgação de manifesto. Na agenda de luta já está marcada passeata a Brasília, dia 3 de agosto, para pressionar deputados e senadores a partir do retorno do recesso parlamentar.

‚ÄúO recado aos deputados e deputadas ser√° dado em suas bases: seu voto em rela√ß√£o √† PEC 32 pode significar a perda do mandato nas pr√≥ximas elei√ß√Ķes. No Rio de Janeiro, sabemos que 70% dos que votaram a favor da reforma Trabalhista n√£o foram reeleitos. As elei√ß√Ķes s√£o ano que vem e temos como fazer muita press√£o‚ÄĚ, afirma Sandro Cezar, presidente da CUT-Rio e Confedera√ß√£o Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social, (CNTSS/CUT).

A CNTSS/CUT promete jogar peso para mobilizar os 2 milh√Ķes e 500 mil trabalhadores representados pela entidade em todo o pa√≠s nas √°reas de sa√ļde, previd√™ncia e assist√™ncia social. Entidades das √°reas de educa√ß√£o e seguran√ßa tamb√©m mobilizam suas bases, cujos seus trabalhadores assim como os da sa√ļde ser√£o os principais atingidos pela reforma proposta por Guedes/Bolsonaro.

Para acompanhar as a√ß√Ķes contra a reforma administrativa e obter mais informa√ß√Ķes sobre o encontro acesse: Contra PEC32 ‚Äď Diga n√£o √† Reforma Administrativa.

Programação:

30/7 ‚Äď Sexta-feira:¬†Via Zoom

9h ‚Äď Abertura

10h ‚Äď Grupos de trabalho

12h30 ‚Äď Almo√ßo

16h ‚Äď Apresenta√ß√£o do relat√≥rio de sistematiza√ß√£o dos GTs

17h ‚Äď Live de lan√ßamento do Manifesto

Agenda de Luta

3/8 РManifestação em Brasília

8h: Recepção na Esplanada

12h: Concentração no Pátio do Museu Nacional

14h: Passeata

18/8 РIndicativo de greve geral dos servidores municipais, estaduais e federais  

Com informa√ß√Ķes da CUT Nacional e do Rio de Janeiro

 

 

‚ö†ÔłŹ ATEN√á√ÉO, SINDICALIZADO!

Os servidores com planos de sa√ļde vinculados ao Sintufrj ficam dispensados de apresentar comprova√ß√£o atrav√©s dos seus DPs.

Ser√° de nossa responsabilidade o envio de listagem de todos os sindicalizados com planos de sa√ļde vinculados ao SINTUFRJ/ALLCARE.

Assim que obtivermos o protocolo de recebimento do ofício na Pró-Reitoria de Pessoal estaremos disponibilizando o comprovante de entrega e a listagem para consulta.

Qualquer d√ļvida, entrar em contato com a nossa funcion√°ria Claudia Azevedo: convenio@sintufrj.org.br ou 98030-1752(zap)/99821-3097.

Sintufrj – Gest√£o Ressignificar

 

Lei que estabelece ajuda financeira para trabalhadores da sa√ļde com sequelas por causa da Covid-19, conquista do movimento sindical, est√° em vigor, mas o governo de Jair Bolsonaro ainda n√£o regulamentou

Publicado:¬†29 Julho, 2021 – 13h36 |¬†√öltima modifica√ß√£o: 29 Julho, 2021 – 14h21 | Escrito por: Ros√Ęngela Fernandes/CUT-RJ e Andr√© Accarini

ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL

Edição: Marize Muniz

A CUT e a Confedera√ß√£o Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social (CNTSS) cobram do governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) a regulamenta√ß√£o da Lei 14.128/2021, de autoria do deputado Federal Alexandre Padilha (PT-SP), que prev√™ compensa√ß√£o financeira a ser paga pela Uni√£o aos profissionais e trabalhadores de sa√ļde que tiveram Covid-19 e ficaram impedidos de continuar trabalhando por causa de sequelas.

O texto do Projeto de Lei de Padilha (PT-SP), elaborado com a contribuição de entidades como a CNTSS, ligada à CUT, foi aprovado pelo Congresso em março deste ano, após intensa mobilização da categoria mas, apesar de a lei já estar valendo, ainda é necessária a regulamentação pelo governo para que os profissionais possam requerer o benefício.

Para o presidente da CUT-Rio e presidente da CNTSS, Sandro C√©zar, √© importante que as entidades sindicais se mobilizem para fazer valer a lei e as compensa√ß√Ķes come√ßem a ser pagar.

‚ÄúAs entidades sindicais e de representa√ß√£o desses profissionais devem ser organizar para fazer peti√ß√Ķes p√ļblicas a serem apresentadas √†s autoridades municipais, estaduais e federais cobrando o direito a compensa√ß√£o financeira e sua implementa√ß√£o com urg√™ncia‚ÄĚ, diz o dirigente.

Todos os sindicatos do pa√≠s devem se empenhar na cobran√ßa da regulamenta√ß√£o da lei para que as indeniza√ß√Ķes comecem logo a ser pagas

РSandro Cézar

De acordo com o presidente da CNTSS e da CUT-Rio, √© papel dos sindicatos orientar tanto os trabalhadores que sofrem com as sequelas da Covid-19, como as fam√≠lias dos profissionais de sa√ļde que perderam suas vidas nessa pandemia. Ao familiares tamb√©m t√™m garantido o direito √† ajuda financeira.

O texto da Lei prev√™ uma compensa√ß√£o a ser paga pela Uni√£o, de R$ 50 mil, em uma √ļnica parcela. Em caso de morte, a indeniza√ß√£o pode ser paga aos familiares dos trabalhadores.

Direito à dignidade

Os profissionais de sa√ļde, desde o in√≠cio da pandemia t√™m colocado suas pr√≥prias vidas em risco para salvar a vida de outros milh√Ķes de brasileiros e brasileiras e muitos, acabaram contraindo a Covid-19. S√£o m√©dicos, enfermeiros, t√©cnicos em enfermagem, fisioterapeutas, t√©cnicos de laborat√≥rios, agentes comunit√°rios que n√£o conseguiram mais voltar ao trabalho tanto por sequelas f√≠sicas como psicol√≥gicas ou por √≥bito.

De acordo com o √ļltimo Boletim Epidemiol√≥gico do Minist√©rio da Sa√ļde, at√© mar√ßo de 2021, 484.081 desses trabalhadores j√° haviam sido infectados. Somente este ano, at√© o m√™s de junho, quase 113 mil profissionais de sa√ļde foram diagnosticados com a doen√ßa. Os dados apontam ainda um total de 470 mortes at√© mar√ßo ‚Äď uma a cada 19 horas.

As profiss√Ķes mais afetadas foram t√©cnicos e auxiliares de enfermagem (29,5%), seguido dos enfermeiros (16,9%), m√©dicos (10,6%) e agentes comunit√°rios de sa√ļde (5,3%).

A pasta estima de que existam no pa√≠s 6.649.307 trabalhadores que atuam no segmento da sa√ļde. A taxa de infec√ß√£o desses profissionais √© de 7,3%, contra 5% da popula√ß√£o em geral.

‚ÄúO SUS perdeu muitos trabalhadores da sa√ļde experientes, seja porque perderam suas vidas ou porque ficaram com sequelas que os impedem de retornarem ao trabalho nos servi√ßos de sa√ļde. O projeto garante indeniza√ß√£o a quem teve as sequelas e aos familiares dos trabalhadores da sa√ļde em caso de morte no enfrentamento √† pandemia‚ÄĚ, explica o deputado federal, Alexandre Padilha.

Para ele, a indeniza√ß√£o √© o m√≠nimo que o Estado pode fazer para reconhecer o esfor√ßo dos trabalhadores e trabalhadoras da sa√ļde do pa√≠s.

A lei é nossa, é fruto da luta dos sindicatos, da CNTSS, da CUT e da nossa atuação como deputado

– Alexandre Padilha

Como m√©dico infectologista, Padilha diz ainda que a pandemia n√£o se encerrar√° com a redu√ß√£o dos casos confirmados ou das mortes. ‚ÄúEla continuar√° e seus efeitos ser√£o duradouros. Para enfrentar esses impactos, necessitamos de pol√≠ticas p√ļblicas que enxerguem o brasileiro como cidad√£o de direitos, e n√£o apenas como n√ļmeros e custos‚ÄĚ, ele diz.

Tramitação

O projeto já havia sido aprovado pelo Congresso quando, em março deste ano, Bolsonaro, em mais uma atitude de desprezo aos trabalhadores e à vida, vetou a ajuda financeira.

Em 17 de mar√ßo, ap√≥s a C√Ęmara derrubar os vetos, o Senado confirmou a decis√£o por 73 votos a 1 e o projeto virou lei ‚Äď foi promulgada no dia 26/03 e j√° publicada no Di√°rio Oficial da Uni√£o. Agora, aguarda a regulamenta√ß√£o.

Para Sandro Cezar, a derrubada do veto √© foi uma vit√≥ria important√≠ssima da classe trabalhadora contra esse presidente desumano. ‚ÄúA derrubada foi simb√≥lica j√° que o veto de Bolsonaro revela aquilo o que ele sempre foi: algu√©m insens√≠vel, sem nenhuma preocupa√ß√£o com a vida das pessoas, e com o trabalhador‚ÄĚ.

‚ÄúEsse trabalhador, na verdade √© aquele que n√£o pode ficar em distanciamento social durante toda a pandemia, que tem que ir ao encontro da pessoa com v√≠rus e √© aquele que est√° hoje vacinando a popula√ß√£o contra a Covid-19 em cada unidade de sa√ļde do SUS em todo o Brasil. Esse √© o trabalhador que ele est√° perseguindo‚ÄĚ, acrescenta o dirigente.

Riscos iminentes

Os n√ļmeros de profissionais vitimados pela Covid-19 podem aumentar ainda mais com a circula√ß√£o da variante Delta, que surgiu na √ćndia, j√° fez cerca de 170 v√≠timas no Brasil e tem um potencial de cont√°gio maior que outras cepas.

Os Estados Unidos, por exemplo, anunciaram no dia 26 de julho que v√£o manter restri√ß√Ķes como proibi√ß√Ķes a viagens internacionais por causa do aumento de casos provocados pela variante.

A Europa tamb√©m se prepara para o enfrentamento √† nova cepa. De acordo com a Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde (OMS), ela ser√° respons√°vel por 90% dos casos no continente at√© o fim de agosto.

Entre os profissionais de sa√ļde, enfermeiros e t√©cnicos em enfermagem foram os que mais morreram por Covid-19 no mundo.

M√īnica Armada, Presidenta do Sindicato dos Enfermeiros do Rio de Janeiro, afirma que a categoria sempre esteve na linha de frente do atendimento e mesmo com a precariedade em Equipamentos de Prote√ß√£o Individual (EPI¬īs), com jornadas de trabalho exaustivas e baix√≠ssimos sal√°rios se manteve junto aos pacientes para enfrentar essa pandemia.

‚ÄúEssa importante lei vem ao menos amenizar o dano causado a esses profissionais e aos familiares dos que deram suas vidas pela vida do outro! Uma vit√≥ria para os profissionais de sa√ļde! Agora, precisamos que ela saia do papel‚ÄĚ, ela diz.

 

 

Ligada à secretaria de Cultura de Mário Frias, a sede da Cinemateca preserva a memória do audiovisual no Brasil e armazena mais de 250 mil rolos de filmes e um milhão de documentos

Por¬†Ivan Longo –
Reprodução

Um inc√™ndio aparentemente de grandes propor√ß√Ķes atinge, no in√≠cio da noite desta quinta-feira (29), um galp√£o da Cinemateca Brasileira, que fica na Vila Leopoldina, Zona Oeste de S√£o Paulo.

O Corpo de Bombeiros est√° no local tentando conter as chamas com nove viaturas. N√£o h√° informa√ß√Ķes sobre v√≠timas e a causa do inc√™ndio ainda √© desconhecida.

O mesmo galpão já havia sido atingido por um incêndio em 2016 e, na ocasião, cerca de 500 obras foram destruídas pelas chamas. A sede principal do órgão, que fica na Vila Mariana, não foi atingida.

A Cinemateca Brasileira √© um √≥rg√£o vinculado √† secretaria de Cultura do governo federal, comandada por M√°rio Frias, e √© respons√°vel por preservar a mem√≥ria do audiovisual no Brasil. Em seus galp√Ķes, armazena mais de 250 mil rolos de filmes e um milh√£o de documentos.

Nos √ļltimos anos, in√ļmeros equipamentos culturais brasileiros sofreram com inc√™ndios. O Museu da L√≠ngua Portuguesa, tamb√©m em S√£o Paulo, por exemplo, ardeu em chamas em 2015. J√° em 2018 o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, tamb√©m foi consumido pelo fogo.

Em abril, trabalhadores alertaram sobre risco de incêndio

A Cinemateca Brasileira est√° fechada e sem funcion√°rios trabalhando no local desde 2020.

Em abril deste ano, trabalhadores do √≥rg√£o divulgaram um manifesto criticando o descaso do governo federal e alertando sobre os riscos de inc√™ndios em suas instala√ß√Ķes.

‚ÄúO risco de um novo inc√™ndio √© real. O acompanhamento t√©cnico cont√≠nuo √© a principal forma de preven√ß√£o. A situa√ß√£o do acervo em acetato de celulose tamb√©m √© cr√≠tica. O conjunto est√° estimado em torno de 240 mil rolos, e corresponde √† maior parte do acervo audiovisual da Cinemateca Brasileira. Tal acervo demanda temperatura e umidade constantes e, na falta de tais condi√ß√Ķes, sofre acelera√ß√£o dr√°stica de seu processo de deteriora√ß√£o. O acompanhamento t√©cnico e as demais a√ß√Ķes de preserva√ß√£o, inclusive processamento em laborat√≥rio, tamb√©m s√£o vitais‚ÄĚ, diz um trecho do documento.

‚ÄúDiante deste quadro preocupante, solicitamos esclarecimentos √† Secretaria Nacional do Audiovisual (SAv) sobre a efetiva√ß√£o do plano emergencial, anunciado pelo secret√°rio especial de Cultura M√°rio Frias em dezembro de 2020. Reivindicamos ainda o pronto lan√ßamento do edital prometido desde julho de 2020 para sele√ß√£o da nova Organiza√ß√£o Social respons√°vel pela gest√£o da Cinemateca Brasileira, assim como a garantia dos recursos necess√°rios para dirimir problemas decorrentes da suspens√£o dos trabalhos, para o pleno funcionamento da institui√ß√£o e para a constru√ß√£o de uma solu√ß√£o perene para a institui√ß√£o‚ÄĚ, prosseguem os trabalhadores.

Confira, abaixo, a íntegra do documento.

Juiz de primeira inst√Ęncia havia decretado retirada de pain√©is ap√≥s a√ß√£o de vereador bolsonarista, que alegava que viu ‚Äúpe√ßa de propaganda comunista‚ÄĚ em uma imagem e 2003 que mostra FHC e Lula

O Tribunal de Justi√ßa de Minas Gerais suspendeu a decis√£o de primeira inst√Ęncia que¬†determinava a retirada de pain√©is da exposi√ß√£o ‚ÄúDemocracia em Disputa‚Ä̬†da fachada do Centro Cultural Bernardo Mascarenhas, no munic√≠pio de Juiz de Fora, no interior do estado.¬†De acordo com o desembargador Maur√≠cio Torres Soares, em decis√£o divulgada nesta quinta-feira (29),¬†a exposi√ß√£o e as obras¬†devem ser mantidas at√© a data prevista de t√©rmino do evento, em 31 de agosto.

Promovida pelo Instituto Nacional de Ci√™ncia e Tecnologia, Democracia e Democratiza√ß√£o da Comunica√ß√£o (INCT/IDDC), a exposi√ß√£o estava em cartaz desde o dia 17. Mas foi suspensa, quatro dias depois, pela 1¬™ Vara da Fazenda P√ļblica e Autarquias Municipais da Comarca da cidade mineira, ap√≥s a√ß√£o do vereador Sargento Mello Casal (PTB), apoiador do presidente Jair Bolsonaro e opositor em Juiz de Fora da prefeita,¬†Margarida Salom√£o¬†(PT).

O vereador acusava que a instala√ß√£o n√£o poderia ocorrer na fachada daquele centro cultural, cuja sede √© um pr√©dio tombado pelo Patrim√īnio Hist√≥rico. A argumenta√ß√£o foi acolhida pelo juiz de primeira inst√Ęncia Marcelo Alexandre do Valle Thomaz, que deferiu a a√ß√£o, alegando que os pain√©is fotogr√°ficos constituem ‚Äúengenhos de publicidade‚ÄĚ. Segundo o magistrado, as imagens mostradas ‚Äúaviltam o patrim√īnio p√ļblico‚ÄĚ.

Alvo de desinformação

Logo ap√≥s a primeira decis√£o, a prefeitura de Juiz de Fora e a Funda√ß√£o Cultural Alfredo Ferreira Lage recorreram. Os √≥rg√£os denunciam que a quest√£o do direito urban√≠stico e de prote√ß√£o ao patrim√īnio p√ļblico, citado pelo vereador na a√ß√£o, na ‚Äúrealidade n√£o passa de discurso pol√≠tico de rep√ļdio aos movimentos progressistas‚ÄĚ. ‚ÄúE, especialmente, ao governo municipal‚ÄĚ, citam. De acordo com a prefeitura, a exposi√ß√£o passou a ser alvo por conta de uma foto espec√≠fica que registra a passagem da faixa presidencial de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para Luiz In√°cio Lula da Silva (PT), em 2003.

A imagem despertou a ira de bolsonaristas da cidade que passaram a acusar toda a exposi√ß√£o de ser ‚Äúpropaganda comunista financiada por uma prefeitura da PT‚ÄĚ. A exposi√ß√£o, contudo, conta com dezenas imagens desde 1964 at√© 2021, que marcam epis√≥dios da hist√≥ria para a constru√ß√£o das institui√ß√Ķes pol√≠ticas brasileiras.

‚ÄúEm n√≠tido vi√©s art√≠stico e historiogr√°fico‚ÄĚ e ‚Äún√£o de engenho de publicidade‚ÄĚ, segundo a administra√ß√£o municipal. No instrumento de agravo, a prefeitura e a funda√ß√£o acrescentaram que ‚Äún√£o houve dano ao bem tombado com a coloca√ß√£o dos pain√©is. Inclusive, a escolha da exposi√ß√£o a c√©u aberto foi de natureza sanit√°ria, para evitar aglomera√ß√Ķes em locais fechados em virtude da pandemia‚ÄĚ, sustentam.

Liberdade de express√£o

Os argumentos foram acolhidos pelo desembargador que deu raz√£o √†s institui√ß√Ķes, apontando que n√£o houve qualquer dano ao patrim√īnio cultural. ‚ÄúVez que somente atinge algumas janelas do pavimento superior‚ÄĚ, descreveu. Na decis√£o, o magistrado ressaltou que a exposi√ß√£o possui termo final e que a coloca√ß√£o das fotografias ‚Äún√£o importar√£o em les√£o √† fachada protegida‚ÄĚ.

Por outro lado, a determina√ß√£o de¬†retirada das imagens, segundo Soares, ‚Äúimplicar√° supress√£o total do direito √† manifesta√ß√£o de pensamento e √† liberdade de express√£o, art√≠stica e cultural‚ÄĚ. ‚ÄúAssim, no exerc√≠cio de sopesamento entre os direitos fundamentais aqui conflitantes, h√° que se ressaltar a primordial import√Ęncia da livre exposi√ß√£o da opini√£o‚ÄĚ, concluiu, sentenciando.

Ainda cabe recurso, mas¬†Margarida Salom√£o¬†comemorou a manuten√ß√£o imediata do evento. ‚ÄúA decis√£o apenas confirma o que afirmamos desde o in√≠cio: a exposi√ß√£o √© de car√°ter evidentemente democr√°tico, de cunho art√≠stico e n√£o provoca dano ao patrim√īnio p√ļblico. Nada justificaria a censura, amea√ßa que pairou sobre ela.Ao cabo, o caso apenas confirma a pr√≥pria nomenclatura da exposi√ß√£o. E, para nossa alegria, nessa disputa a democracia sai como vitoriosa‚ÄĚ, escreveu a prefeita pelas redes sociais.

A exposição

A exposi√ß√£o¬†‚ÄúDemocracia em Disputa‚Ä̬†integra a programa√ß√£o da 73¬™ Reuni√£o Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ci√™ncia. O evento √© realizado pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). A instala√ß√£o ainda percorrer√° diversas cidades do Brasil e do Mundo, com destacada valoriza√ß√£o pela sua relev√Ęncia. Desde 2017, o INCT/IDDC re√ļne pesquisadores de renome nacional e internacional para aprofundar a discuss√£o sobre a democracia brasileira.

 

 

Chefe de Estado peruano ir√° exercer o cargo pelos pr√≥ximos seis anos e promete um governo “do povo para o povo”

Pedro Castillo se tornou presidente do Peru e pela primeira vez na hist√≥ria um campon√™s ir√° conduzir o pa√≠s. Na √ļltima quarta-feira (28), Castillo tomou posse em Lima e fez¬†o¬†primeiro discurso assegurando que chegou atrav√©s do povo para governar para o povo e construir “com os de baixo”, dando a linha de quais ser√£o as prioridades do seu mandato.

Presidente do Peru, Pedro Castillo prometeu levar adiante proposta de reforma constitucional РAgência Andina

O novo chefe de Estado também já anunciou que não irá despachar na Casa Pizarro, nome do Palácio de Governo, em homenagem ao invasor espanhol Francisco Pizarro. O edifício será cedido ao Ministério das Culturas para transformar-se em um museu.

“Devemos romper com s√≠mbolos coloniais. Os tr√™s s√©culos que este territ√≥rio pertenceu √† Coroa Espanhola lhe permitiram explorar nossos minerais que sustentaram o desenvolvimento da Europa, com esfor√ßo dos av√≥s de muitos de n√≥s”, afirmou.

Nesta quinta-feira (29), haver√° uma nova cerim√īnia de juramento¬†na cidade de Ayacucho, onde foi proclamada a independ√™ncia do Peru h√° 200 anos.

Reforma Constitucional 

Uma das principais bandeiras de Castillo e do seu partido, Peru Livre, é fazer uma reforma à constituição. No entanto, a atual Carta Magna, promulgada em 1993, durante o regime de Alberto Fujimori, não prevê qualquer tipo de mecanismo de mudança, além de emendas que podem ser aprovadas pelo poder legislativo.

Sem a maioria do Congresso, Castillo sinalizou que ir√° apresentar uma projeto de lei e, se n√£o for aprovado, buscar√° convocar um referendo constitucional. “Insistiremos nessa proposta, mas sempre dentro da lei”, afirmou.

Pampa de Quinua, em Ayacucho, local da declara√ß√£o de independ√™ncia do pa√≠s h√° 200 anos, sediar√° uma cerim√īnia simb√≥lica de posse do presidente / Ag√™ncia Andina

Educação 

Sendo professor de escola básica, outro tema fundamental é a educação. Castillo disse que irá declarar um estado de emergência educacional. Prometeu aumentar o orçamento da pasta para 10% do PIB, aumentar a conectividade nas escolas, tornando o acesso à internet um direito, lançar uma campanha de alfabetização e modernizar os projetos políticos pedagógicos com participação dos professores e da comunidade.

Seu projeto √© “recuperar aprendizados e evitar que a desigualdade siga crescendo”, indicando que pretende reabrir as escolas no primeiro semestre de 2022.

Aos jovens desempregados e que não frequentam nenhuma instituição de ensino, o presidente indicou que devem alistar-se no serviço militar.

Pandemia

O Peru h√° meses √© o pa√≠s com a maior taxa de letalidade por coronav√≠rus do mundo, quase 6 mil mortos a cada milh√£o de habitantes, por isso outra tarefa ser√° vencer a pandemia. Para isso, Castillo ir√° aumentar o or√ßamento em aten√ß√£o prim√°ria, criar cinco mil equipes de aten√ß√£o comunit√°ria e integral, assim como acelerar o ritmo de vacina√ß√£o para ter toda a popula√ß√£o imunizada at√© o final de 2021 – at√© o momento cerca de 12 milh√Ķes de doses foram aplicadas.

Prometeu que uma das suas primeiras obras será construir hospitais especializados no interior do país.

Meio ambiente

Castillo anunciou a cria√ß√£o do Minist√©rio de Ci√™ncia e Tecnologia para aumentar o investimento em pesquisas cient√≠ficas, assim como trabalhar pela redu√ß√£o de 30 a 40% das emiss√Ķes de carbono:¬†“Possu√≠mos 13% da Amaz√īnia. J√° devastamos centenas de milhares de hectares. Devemos reverter essa tend√™ncia. A Amaz√īnia √© uma das heran√ßas que deixaremos para as pr√≥ximas gera√ß√Ķes”.

Após reunir-se com o presidente boliviano Luis Arce, Castillo anunciou a reabertura de um gabinete binacional entre Bolívia e Peru / Agência Andina

Reconhecimento étnico 

O presidente peruano tamb√©m segue os espa√ßos dos seus vizinhos bolivianos, aumentando o reconhecimento aos povos origin√°rios que edificaram o pa√≠s. Garantiu que nas regi√Ķes em que h√° maior presen√ßa de povos ind√≠genas, quechua e aymara ser√£o idiomas oficiais nos organismos do Estado.

Pedro Castillo e Luis Arce também acordaram reabrir o gabinete binacional para tratar assuntos estratégicos e de cooperação dos dois países.

Economia

O novo mandat√°rio prometeu criar um milh√£o de empregos em um ano atrav√©s do programa “Trabalha Peru”. Cerca de 70% da popula√ß√£o economicamente ativa peruana est√° no setor informal.

Também irá conceder um auxílio emergencial de 700 soles a todas as famílias mais vulneráveis.

Diante da campanha medi√°tica de que o presidente rec√©m-eleito representa uma “amea√ßa comunista”, Castillo ressaltou que n√£o pretende realizar expropria√ß√Ķes ou qualquer tipo de confisco de bens privados. No entanto, assegurou que √© necess√°rio rever a presen√ßa de monop√≥lios no pa√≠s.

Castillo disse ainda que irá renegociar as dívidas com pequenas e médias empresas do setor agropecuário, turístico e de transporte.

Edição: Rebeca Cavalcante