EUA usaram robôs no Twitter em ‘operação de grande escala’ contra Cuba, diz chanceler

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Bruno Rodríguez, ministro de Relações Exteriores de Cuba, afirmou que ‘fantasia de surto social’ na ilha só aconteceu ‘nos servidores de empresas norte-americanas que protegem essas operações digitais’

Redação: RT em Espanhol /14 de jul de 2021 às 10:14

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, acusou os Estados Unidos de implementarem uma “operação de comunicação em grande escala” para desestabilizar a ilha e reforçarem protestos liderados por oposicionistas. Segundo Rodríguez, os EUA aproveitaram a pandemia executarem suas ações.

“Os Estados Unidos identificaram o impacto do coronavírus e da pandemia como uma oportunidade para reforçar o bloqueio com motivações políticas e aplicar o que denominaram medidas de pressão máxima para reforçar a agressão contra nosso país”, disse Rodríguez.

Para o chanceler cubano, foi “uma tentativa deliberada, cruel e oportunista de aproveitar uma pandemia para tentar estrangular” a economia nacional.

Rodríguez também acusou o governo dos Estados Unidos de fazer “uso impudente e obsceno de mentiras, calúnias, manipulação de dados” com o objetivo “de mobilizar, convocar, incitar e manipular as pessoas”, acrescentou.

Campanha de mídia

Contra Cuba, disse Rodríguez, Washington usou suas “ferramentas de alta tecnologia, poderosas e sofisticadas” para aproveitar as “duras condições sociais que a pandemia gerou no planeta”.

Sobre as manifestações de 11 de julho, o chanceler afirmou que foram “desordens em escala muito limitada”, nas quais o governo dos Estados Unidos esteve “diretamente envolvido”, por meio de uma campanha na mídia, via Twitter, que contou com recursos multimilionários, laboratórios e plataformas tecnológicas instaladas no país norte-americano.

Por meio da campanha, disse o chanceler, foi feito um apelo para realizar uma “intervenção humanitária” em Cuba, o que, na opinião de Rodríguez, implica de fato pedir “uma intervenção militar dos Estados Unidos” na ilha.

Além disso, essa estratégia de rede teria utilizado as chamadas ‘fazendas de bots e bondes’ para disseminar em grande escala os supostos pedidos de socorro na ilha por meio das hashtags #SOSCuba e #SOSMatanzas.

“Fantasia de um falso surto social”

Esta estratégia permitiu a operação de milhares de réplicas de hashtags em menos de um minuto para ajudar a criar a “fantasia de um surto social que não ocorreu em Cuba, mas nos servidores de empresas norte-americanas que protegem essas operações digitais”, conforme afirma o titular das Relações Exteriores.

Rodríguez também destacou que esta campanha representou uma “violação grosseira das políticas” aplicadas pelo Twitter. Nesse sentido, o chanceler destacou que esta rede social “é muito eficaz quando lhe é conveniente influenciar certas contas”, mas que não bloqueou nenhuma das contas que divulgam informação falsa em grande escala.

“Advirto o Governo dos Estados Unidos que será responsável pelas consequências de persistir nesta política de estrangulamento”, disse o chanceler cubano.

Reprodução/Twitter
Bruno Rodríguez apontou envolvimento dos EUA em protestos em Cuba

 

 

 

 

COMENTÁRIOS