Markos Klemz Guerrero, professor do Instituto de Filosofia e Ci√™ncias Sociais (IFCS) e segundo secret√°rio regional do Andes-SN, informou que o procurador do Minist√©rio P√ļblico Federal solicitar√° ao Tribunal Regional Federal da 2¬™ Regi√£o (TRF2) que haja uma decis√£o r√°pida sobre o embargo declarat√≥rio e o pedido de esclarecimento pela concess√£o de liminar que determinou o retorno das atividades presenciais na UFRJ e nas demais institui√ß√Ķes federais de ensino a partir do dia 22 de novembro.

De acordo ainda com o dirigente sindical, o juiz do TRF2 deu por concluso o processo, ou seja, considera que h√° elementos para responder ao embargo declarat√≥rio e ao recurso da Procuradoria Regional Federal da 2¬™ Regi√£o apresentado no dia 9 pelas institui√ß√Ķes federais de ensino contra a decis√£o de retorno imediato, o que refor√ßa a expectativa por uma decis√£o nos pr√≥ximos dias. ‚ÄúMas √© preciso aguardar, n√£o h√° nenhuma previs√£o‚ÄĚ, explica Markos.¬†

Na sexta-feira, 12, as entidades sindicais e estudantis protocolaram pedido formal de reuni√£o com a Advocacia-Geral da Uni√£o (AGU). Os dirigentes conclu√≠ram que o recurso √† TRF2 est√° aqu√©m das possibilidades recursais, e por isso solicitar√£o √† AGU que desempenhe seu papel de defender as institui√ß√Ķes p√ļblicas de educa√ß√£o.

 

 

 

Link para live de lançamento: https://youtu.be/ECxTIwRcCnY

O coletivo Quilombo do IFCS, formado por corpos negros dos tr√™s segmentos: professores, t√©cnicos-administrativos e discentes, com apoio de aliados antirracistas, vem por meio desta apresentar uma pauta de reivindica√ß√Ķes √† dire√ß√£o do IFCS.

O movimento nasce a partir de duas constata√ß√Ķes: 1) em pesquisa emp√≠rica realizada no IFCS, os alunos indicaram que a discrimina√ß√£o racial constitui o principal problema do Instituto. 2) O coletivo se formou depois da exclus√£o do prof. Wallace de Moraes da participa√ß√£o de uma banca de concurso para provimento de vaga para prof. adjunto no Dpto. de Ci√™ncia Pol√≠tica, sendo uma das justificativas para tal veto proferida por um prof. na reuni√£o do DCP de que ‚Äúele se vitimizava por quest√Ķes raciais e que tudo para ele √© racismo‚ÄĚ.

Cabe ressaltar que o prof. Wallace √© o √ļnico negro no DCP e dentre os 78 professores do IFCS apenas dois s√£o negros. Dentre 60 t√©cnicos administrativos, 10 s√£o negros. Simultaneamente, a popula√ß√£o brasileira √© composta por 54,6% de negros. Os dados supracitados mostram que a exist√™ncia do racismo no Brasil e as suas diferentes pr√°ticas ainda n√£o est√£o evidentes para o corpo social do IFCS. Por conseguinte, discentes, t√©cnicos-administrativos, professores, bem como trabalhadores terceirizados, continuam sendo alvos de ataques racistas na institui√ß√£o. Percebemos, assim, que √© mais do que necess√°ria a implementa√ß√£o de pol√≠ticas antirracistas e protetivas dos corpos negros/ind√≠genas. Esse √© o papel do nosso quilombo!

Nesta quinta teremos um evento de fundação do Quilombo do IFCS com as participação de vários coletivos antirracistas. PARTICIPE!

 

 

 

Com o mote #ForaBolsonaroRacista, o Dia da Consciência Negra, próximo sábado (20) tem atos convocados em todo o país

Atos são convocados em todo o país pela Convergência Negra, Coalizão Negra por Direitos e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo РFoto: Renato Cortez/Brasil de Fato DF

No dia 20 de novembro, entidades sindicais e movimentos populares estarão mais uma vez nas ruas contra a política genocida do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em defesa da igualdade racial, da vida, da democracia e do emprego.

Com o mote #ForaBolsonaroRacista, o Dia da Consci√™ncia Negra tem atos¬†convocados em todo o pa√≠s pela Converg√™ncia Negra, Coaliz√£o Negra por Direitos e as¬†frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, articulado com diversas organiza√ß√Ķes dos movimentos sociais negros.

Em nota publicada nas redes sociais, a Campanha Nacional Fora Bolsonaro destaca que a data √© um momento em que se rememora ‚Äúos feitos de Zumbi dos Palmares e a luta do povo negro contra a escravid√£o, o racismo e a marginaliza√ß√£o social, econ√īmica e pol√≠tica‚ÄĚ.

A publicação aponta ainda motivos para que a população ocupe as ruas no próximo sábado, dentre eles, registra que Bolsonaro é responsável pelo retorno da fome no Brasil, fator que atinge em cheio a população negra, pobre e periférica do país.

Para o secret√°rio de Combate ao Racismo do Partido dos Trabalhadores do Distrito Federal (PT-DF), Daniel Kubuku, o ‚Äúdia 20 de novembro √© uma conquista do movimento social negro‚ÄĚ. Nesse sentido, unificar as pautas pela sa√≠da ‚Äúdesse governo genocida‚ÄĚ e a luta antirracista √© fundamental para visibilizar e ‚Äúdarmos mais √™nfase √† pauta pela igualdade racial‚ÄĚ, aponta.¬†Em Bras√≠lia, o ato ser√° realizado no Museu da Rep√ļblica, a partir das 15h.

Kubuku destaca que ‚ÄúBolsonaro n√£o inventou o racismo, mas seu desgoverno aprofundou as desigualdades em nossa sociedade que j√° √© racializada‚ÄĚ, diz. Para ele, as falas, a√ß√Ķes e omiss√Ķes de Bolsonaro concorrem para o aprofundamento do genoc√≠dio da popula√ß√£o negra.

‚ÄúDesde a sua ret√≥rica militarizada, passando pela naturaliza√ß√£o e incentivo ao genoc√≠dio da popula√ß√£o negra, at√© chegar √† destrui√ß√£o das pol√≠ticas sociais e promo√ß√£o da igualdade racial. Estamos falando de um governo corrupto e genocida, que mata pela doen√ßa, pela fome, e pelo exterm√≠nio f√≠sico e simb√≥lico de tudo que remete a nossa ancestralidade africana. Portanto, ir as ruas pra dizer Fora Bolsonaro √© uma tarefa urgente de todo movimento social negro nesse dia 20 de novembro‚ÄĚ, ressalta Kubuku.

Fonte: BdF Distrito Federal

Edição: Flávia Quirino