“Terreiro Contemporâneo”, uma das principais bases da arte negra no Rio, realiza benfeitoria para não fechar as portas

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Visando ampliar a capacidade do centro cultural, grupo artístico realiza campanha online para manter o espaço e garantir o funcionamento das atividades

FONTE: Por Laís Monteiro, enviado ao Portal Geledés 7/11/2021

Divulgação

O grupo artístico ‘Confraria do Impossível’ realiza campanha online com o objetivo de captar recursos para a manutenção do “Terreiro Contemporâneo”, situado na Lapa, no Centro do Rio de Janeiro. Fundado  pelo bailarino e coreógrafo Rubens Barbot e o coreógrafo e diretor Gatto Larsen, criadores da ‘Cia Rubens Barbot’, primeira companhia de dança negra contemporanêa do Brasi,l que conta com 25 anos de carreira, o centro cultural funciona visando acolher, lapidar  talentos negros por meio da arte e manter o legado negro na cidade.

Sem investimento público, diante da pandemia de Covid-19, o espaço, que já vinha carecendo de uma rede de solidariedade há alguns anos, passou a sofrer ainda mais os reflexos negativos com a paralisação temporária de suas atividades, quase fechando suas portas. Hoje, com o avanço da vacinação contra o vírus acontecendo, o quilombo urbano almeja ampliar sua área em prol de uma missão: visibilizar e transformar vidas de artistas negros.

Segundo o ator, diretor e produtor cultural, Jeff Fagundes, a campanha é de suma importância para manter o espaço de resistência negro aberto e garantir o legado da ‘Cia Rubens Barbot’. “Ela possibilita que a sociedade civil participe desse local, já que não se mantém mais espaços abertos através de ingressos diante do cenário pandêmico, então, conseguiríamos uma sustentabilidade para que o mesmo resista até poder voltar às suas atividades, realize sua reforma e a construção do Teatro Chica Xavier, o primeiro teatro negro do Rio de Janeiro”, explicou.

De acordo com Jeff, essa contribuição proporciona ainda a possibilidade da curadoria investir em obras teatrais e artísticas de grupos negros independentes do estado. Neste sentido, a campanha será mensal, funcionando de modo recorrente, onde a colaboração quita as despesas mensalmente de seu funcionamento. Já os trabalhos apresentados no ambiente, terão seus ingressos vendidos por preços sociais e alguns gratuitos.

Além da ‘Confraria do Impossível’, o quilombo contou com outros grupos teatrais como ‘Emú’, ‘Corpo Cruzado’, ‘Cia Rubens Barbot’, ‘Segunda Black’, dentre outros. Nesse, diversas peças de teatro e dança já foram realizadas. O espetáculo “Mercedes” do Grupo Emú,  por exemplo, sobre a primeira bailarina negra do Teatro Municipal do RJ; é o maior realizador do Cineclube Atlântico Negro; a Mostra 2ª Black; o espetáculo Esperança na Revolta (vencedor do Prêmio Shell por melhor direção).

Espaço de captação e produção de potências negras, no ano passado foi ganhador do Prêmio Shell na categoria Inovação, mostrando sua referência no estado no segmento da cultura do país. Para colaborar com o elo voluntário e fortalecer a reconstrução do centro cultural “Terreiro Contemporâneo”, basta acessar o link: https://benfeitoria.com/assineoterreiro

 

 

COMENTÁRIOS