Editora UFRJ lança livro sobre obra de Platão

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Entre política e ontologia: o bom na República de Platão, de Germano Nogueira Prado, investiga uma obra clássica e fundamental do pensamento filosófico e político para tratar de um tema igualmente clássico e fundamental: o que é o bom? o que significa algo ou alguém ser bom? O autor aborda as questões mais intrincadas da filosofia platônica sem aparar suas arestas, mas também sem deixar de aproximá-las de nossas experiências cotidianas. A Editora UFRJ fará seu lançamento no dia 25 de maio, das 17h às 19h, na livraria Folha Seca, à Rua do Ouvidor, 37.

O tema do livro diz respeito àquilo que toda pessoa, “toda alma”, diria Platão, procura alcançar. Segundo o autor, “fazemos tudo o que fazemos, pensamos tudo o que pensamos porque vislumbramos que aquele caminho de pensamento e/ou curso de ação é o melhor, porque nos parece que encontraremos algo de bom ali. Mesmo quem pratica algo que “sabe” que é mau, o faz, em princípio, porque acha que é melhor fazer isso do que outra coisa”. A questão, ou boa parte dela, está nesse “saber”.

Platão argumenta que o mais alto aprendizado a ser perseguido por quem governa diz respeito ao que é realmente bom e não apenas ao que parece bom. Ao governante cabe organizar a distribuição do que é o “bem comum” e, assim, do que é o bem próprio a cada um(a). Por isso, argumenta Platão, o mais alto aprendizado ao qual quem governa precisa se dedicar é o aprendizado do que é o bom enquanto tal, o que, em termos platônicos, quer dizer: a ideia de bom. Da mesma maneira que é fundamental para toda e cada alma, o bom é também central para o governo de cada alma e das comunidades de almas (a cidade, a pólis).

É esse encontro entre filosofia (identificada aqui, grosso modo, como “ontologia”) e política, através da ideia de bom, que o autor procura pensar, e o faz a partir de duas hipóteses. Primeiro, aponta para a ideia de que Platão não está tentando dar uma fundamentação à política a partir de uma teoria “fechada” sobre a realidade, nem tampouco basear a ontologia nas “contingências” dos regimes políticos. Germano Nogueira Prado busca pensar uma raiz ou um poder “comum” que se faz presente tanto na estruturação da realidade quanto na organização das comunidades (d)e almas.

A maneira como essa questão se dá remete à segunda hipótese: o bom diria respeito ao que é mais próprio a cada pessoa, coisa, divindade, evento, a cada alma, ao limite que a realiza enquanto tal. Esse limite próprio é singular e realizável tendo em vista essa singularidade. Daí a ideia de bom não apresentar uma definição cabal e fechada, pois diria respeito a esse mais alto aprendizado ou saber, o da singularidade, o da unicidade que, por sua própria natureza, requisita a disciplina de colocar, sempre de novo, a questão: o que é bom, o que é melhor? Entre outras razões, seria por isso que os diálogos platônicos se desenrolam em situações singulares, em que personagens singulares retornam às mesmas questões para pensar o que unifica, o que torna únicas e, nessa medida, talvez, universais, as várias ações e pensamentos questionados, sob um mesmo nome (justiça, beleza, coragem), naquela situação singular.

Procurando desenvolver essas hipóteses, o livro passa por várias noções importantes para a filosofia em geral e a filosofia platônica em particular: os usos de “bem” e de “bom”, as noções de totalidade, de desejo, de paradigma, de ideia, de aprendizado, de limite, de próprio e de singularidade.

O percurso desemboca, por fim, na ideia de uma “pedagogia da singularidade”, pensada a partir da prática docente do autor, sobretudo no Ensino Médio. Trata-se de honrar, ainda que de modo singelo, a relação entre prática e teoria, entre política e ontologia, que constitui a filosofia de Platão, a qual não é apenas discurso, mas também uma forma de vida.

Germano Nogueira Prado é doutor em Filosofia pela UFRJ (com estágio de doutorado sanduíche na Università degli Studi di Bari “Aldo Moro), professor e, atualmente, coordenador geral do Departamento de Filosofia do Colégio Pedro II. Sua tese de doutorado, que resultou neste livro, recebeu menção honrosa no Prêmio Capes de Teses de 2017.

 

 

COMENTÁRIOS