Coordenador de GT Pós-Pandemia reafirma atividades remotas na UFRJ

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

De acordo com o coordenador do Grupo de Trabalho Pós-Pandemia da UFRJ, Eduardo Raupp, na universidade segue a orientação do trabalho remoto.

Em entrevista ao Sintufrj, no dia 11 de setembro, o pró-reitor de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças havia ponderado que o que vale (para qualquer definição) é a taxa de contágio e as decisões dos colegiados da UFRJ.

Raupp disse também que não há previsão para uma fase híbrida, inclusive no que diz respeito ao trabalho: “Não mudamos a fase, seguimos [em modo] remoto, e não há ainda previsão de revermos essa situação. Estamos acompanhando os dados epidemiológicos e discutindo constantemente a respeito. Por ora, não existe perspectiva de mudanças, mas tudo é muito dinâmico, e se o contágio cair bastante pode [o modo remoto] pode ser revisto. Porém, este não é o caso por enquanto”.

Tudo como antes

Passadas três semanas, nada mudou. Segundo Raupp, a posição do GT continua a mesma. Ele disse que na última reunião, no dia 25 de setembro, foi aprovado um Guia de Biossegurança (a previsão é que seja divulgado até o dia 2 de outubro) com orientações gerais e procedimentos que devem ser adotados para proteção ou caracterização do risco e com elementos de identificação da situação de cada sala.

Neste momento, o guia será destinado às unidades com atividades consideradas essenciais, como as ligadas à saúde, pesquisas que exigem presença de pessoas, como em biotérios, por exemplo. Mas também servirá para que os demais setores da universidade se preparem para o futuro.

O pró-reitor reiterou que são medidas para identificar riscos e procedimentos que devem ser adotados, mas ainda não se discute o retorno presencial. “Nossa posição continua a mesma: mantêm-se todas as atividades possíveis na forma remota e evitando, inclusive, reuniões presenciais”. Segundo Raupp, até o que diz respeito ao calendário acadêmico (que está sendo discutido nos colegiados) tem como prioridade atividades remotas.

Na foto, professor Eduardo Raupp, coordenador do Grupo de Trabalho Pós-Pandemia da UFRJ e pró-reitor de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças.

 

 

 

 

COMENTÁRIOS