Covid-19: Serão necessários alguns passos atrás

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

A cidade do Rio viu um salto no número de casos confirmados de Covid-19 em duas semanas: de 21 pessoas que disseram ter começado os sintomas dia 14 de dezembro, o número pulou para 458 casos no dia 28. E os dados atuais podem ser até maiores porque esses foram os que procuraram unidades de saúde e relataram sintomas.  

Não se registravam tantos casos desde o final de setembro, quando entraram em queda até um patamar mais baixo e estável. Isso redundou em grande procura para testes, em particular nos centros municipais de saúde. 

No estado  

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, o estado do Rio teve o maior número de casos de covid-19 em três meses. Registrou, na segunda-feira, dia 3, 3.938 casos, o maior número desde 24 de setembro. Não houve nenhuma morte causada pela doença nas 24 horas anteriores. Parte dos registros, no entanto, informa a secretaria, é de casos represados e a problemas no sistema do Ministério da Saúde. 

A Prefeitura considera que já existe transmissão comunitária da variante ômicron na cidade, de acordo com o aumento do número de notificações da doença. A Secretaria Municipal de Saúde informa que há 94 casos sob investigação. O Rio tem quase 10% de pessoas com testes positivos para Covid após a volta das festas de fim de ano e agora se fala até na flurona, que é a infecção conjunta com influenza. 

Explosão 

Uma explosão de casos da variante era esperada. “Uma hora iria chegar. Sabíamos disso porque está circulando em outros países”, comentou Rafael Galliez, professor de Doenças Infecciosas e Parasitárias da UFRJ, um dos professores do Núcleo de Enfrentamento e Estudos em Doenças Infecciosas Emergentes e Reemergentes (originado do Centro de Triagem Diagnóstica para Covid-19 da UFRJ, no Centro de Ciências da Saúde) e membro do comitê científico do estado.  

A partir do Natal, começou este aumento de casos, considerado exponencial em se levando em conta a progressão nos 15 dias anteriores, que está atingindo dezenas de profissionais de saúde. O comportamento na nova cepa também é o mesmo que em outros países, acometendo inclusive pessoas vacinadas. Uma situação grave quando sobrecarrega o sistema de saúde. 

A vacinação evita as formas graves, mas, do ponto de vista da transmissibilidade, está sendo exponencial. As festas de fim de ano, claro, ajudaram. Então, aponta o pesquisador, há dois problemas diferentes e concomitantes: o impacto na rede pela multiplicação de casos, somado à quantidade de trabalhadores da saúde com Covid. Tal qual vivenciamos na primeira onda da pandemia. 

Passos atrás 

Isso pode refletir, por exemplo, na discussão sobre o carnaval (no início de março), e sobre a necessidade de restrição de circulação para redução da transmissão. A variante não tem necessariamente a mesma letalidade de outras, até porque há uma vacinação massiva, mas há uma população de maior risco, como pacientes em tratamento oncológico, transplantados, entre outros, passíveis de serem acometidos pela covid-19. 

Serão necessários, portanto, diz ele, alguns passos atrás. 

O Needier (antigo CTD) adiantou seu processo de transferência do laboratório do bloco N do CCS para dependência da BioRio em função do aumento massivo da demanda. Nesta quarta-feira, dia 5, o laboratório já retoma as testagens. 

O que fazer 

A circulação da ômicron deve levar ao aumento da vigilância e a restrição de eventos que levam a aglomeração. Para Galliez é preciso que se continue o esforço vacinal, ampliar a aplicação da dose de reforço e nas crianças de 5 a 11 anos que deve se iniciar no fim de janeiro. 

Além disso, será necessário rever a retração de leitos para Covid e cuidar da força de trabalho na área da saúde, há dois anos lidando com isso: “Estão extremamente cansados. São seres humanos que estão há dois anos sem descansar”. 

Esforço mundial 

Será preciso, a seu ver, um grande esforço de vacinação coletiva e mundial: “Tem que manter toda vigilância, neste momento, lidar com esta onda para entender como está circulando e precisa vacinar o mundo inteiro porque não somos uma ilha. Não dá apara olhar apenas para nosso umbigo. O continente africano tem menos de 20% da população vacinada. É preciso entender que saúde é um direito universal e que, enquanto for tratado coo serviço ou produto vamos ficar nesta situação”, pondera o cientista. 

COMENTÁRIOS