Hospital do Fundão recebe ajuda de ex-alunos para atender pacientes da covid-19

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Obras estão sendo feitas em três andares do prédio para abrigar 50 leitos de terapia intensiva

O Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) está realizando obras no subsolo e no 8º e 9º andares para abrigar mais 50 leitos de terapia intensiva nos próximos 15 dias,  destinados a pacientes com coronavírus que estejam em grupo de risco.

A previsão é ativar os 50 leitos ao longo do mês. O hospital não recebeu recursos federais. As benfeitorias (leitos, obras e equipamentos) estão sendo bancadas com doações captadas por uma ONG. Até o momento, segundo a assessoria da direção do HUCFF, além da obra iniciada, a unidade já recebeu 27 monitores para acompanhamento de pessoas com convid-19.

Em comunicado à comunidade local, o diretor Marcos Freire informou que empresários e ex-alunos se uniram para doar equipamentos e serviços para o Plano de Contingência de enfrentamento da pandemia pelo SUS. O grupo elegeu o HUCFF para abrir os 50 leitos de CTI, cobrindo custos de reforma, implantação, equipamentos e bolsas que assegurem recursos humanos por dois meses de pico da pandemia.

Para instalar os novos leitos nos três pavimentos do hospital serão necessários, além das reformas e equipamentos, custeio da equipe médica e técnica pelo período da crise. O HUCFF responderá pela gestão técnica  e operacional, e o Instituto da Criança – a ONG que captou as doações – fará a gestão dos recursos.

Um dos andares do HUCFF sendo preparado pra receber leitos de pacientes de Covid-19

 

Equipamentos doados por ONG com recursos de ex-alunos já começaram a chegar

Treinamento

Além dos leitos extras para receber pacientes do grupo de risco com coronavírus, o hospital planeja expandir a oferta de leitos com recursos da Secretaria de Saúde, do Ministério da Educação, da Saúde (MS) e de mais doações.

Técnico de enfermagem de um dos setores da linha de frente no atendimento a pacientes suspeitos ou confirmados com a doença confirma que a Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), junto com a Coordenação de Educação Permanente, têm realizando treinamento e que há equipamentos para todos os profissionais. “Temos usado de forma bem racional” para que não haja colapso no abastecimento. O treinamento vai ser feito em outros setores “para que todo mundo esteja preparado”, diz ele.

Uma técnica de enfermagem confirma que profissionais de saúde de setores diversos têm recebido orientação do pessoal do CCIH sobre como se coloca ou retira o equipamentos de proteção individual. “Todos vão receber treinamento”, disse.

Atendimento

O hospital está aberto a casos encaminhados pela Secretaria de Saúde, além de casos suspeitos de pacientes que são referenciados (os que possuem prontuário ativo na unidade). Os pacientes com suspeita são encaminhados para a Emergência, onde há 12 leitos separados para esta demanda (não há contato de pacientes suspeitos e os demais). A coleta dos exames é feita no hospital.

Hoje, o HUCFF dispõe de 280 leitos, sendo 16 de CTI para atender aos casos graves de covid-19. Agora, a estes se somarão os 50 leitos de CTI que estão sendo preparados.

O hospital conta com 50 respiradores e dois tomógrafos. Há a expectativa de doação de outros 75 respiradores, importados da China.

A direção da unidade garantiu que o estoque dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) do HUCFF está em dia e tem inclusive recebido doações e apoio de instituições para isso. Também há orientação adequada aos profissionais quanto ao seu uso correto, para que não falte na assistência quando o fluxo de pacientes se ampliar.

COMENTÁRIOS