URGENTE: FOLHA DE PONTO

Compartilhar:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

URGENTE: FOLHA DE PONTO

Nas últimas 24 horas, uma ação intempestiva com origem na Pró-Reitoria de Pessoal vem trazendo intranquilidade aos trabalhadores técnicos-administrativos da UFRJ. Em determinadas unidades, eles estão sendo pressionados desde ontem (quarta-feira, 6 de maio) por direções e chefias para assinar a folha de ponto com urgência para ser encaminhada até esta quinta-feira, 7 de maio, à PR-4 – com aqueles códigos determinados pelo Ministério da Economia descrevendo o trabalho remoto. São ações intimidatórias de todo tipo, chegando até a ameaça de corte de salários.

Mas, importante: em outras unidades têm prevalecido a compreensão e a sensibilidade para entender os limites da solicitação da PR-4 e os encaminhamentos têm sido diferentes.

ATENÇÃO: Diante desse quadro, o SINTUFRJ REITEIRA DE FORMA INCISIVA A ORIENTAÇÃO PARA QUE NENHUM FORMULÁRIO SEJA PREENCHIDO E QUE A FOLHA DE PONTO (para quem tem acesso a ela) seja assinada da forma que sempre foi.

Lembramos que o SINTUFRJ e a Adufrj fecharam posição comum em relação a essa questão para evitar que informações dadas por nós sejam usadas para cortes de direitos pelo governo Bolsonaro que é hostil aos servidores.

Nesse quadro de pandemia, tudo que os trabalhadores da universidade precisam é de tranqüilidade para enfrentar as adversidades do vírus e um governo que não merece um milímetro da nossa confiança.

O SINTUFRJ estará vigilante e irá cobrar da Reitoria que nenhuma ação de retaliação seja efetivada contra servidores.

ATUALIZAÇÃO: Apos o posicionamento do Sintufrj, a reitoria da UFRJ lançou nota pública informando que não irá lançar as informações que poderiam gerar os cortes referentes à insalubridade, auxílio transporte e outros adicionais, e que o registro de frequência de abril, objeto do nosso protesto, perdeu efeito, passando a valer o controle de frequência a partir do mês de maio. O Sintufrj já entrou com um mandado de segurança na justiça, em conjunto com a ADUFRJ, para impedir futuros cortes.

 

 

COMENTÁRIOS