O Quilombo IFCS/UFRJ, uma iniciativa da comunidade universit√°ria do Instituto de Filosofia e Ci√™ncias Sociais articulada por docentes, estudantes e t√©cnicos-administrativos(as), ser√° lan√ßado nesta quinta, 18 de novembro. O objetivo √© organizarnegros e negras da universidade e fomentar debates acerca das rela√ß√Ķes raciais presentes na UFRJ.

A ideia surgiu a partir da comiss√£o de sindic√Ęncia instaurada para apurar o caso envolvendo o professor Wallace de Moraes, do Departamento de Ci√™ncia Pol√≠tica (DCP/IFCS), impedido de compor uma banca de concurso para preenchimento de vaga para professor adjunto do departamento, sob a justificativa de que ‚Äúpara ele, tudo √© racismo‚ÄĚ. O professor Wallace √© o √ļnico docente negro do DCP e um dos dois √ļnicos professores negros dos setenta e oito professores do IFCS.

A cria√ß√£o do Quilombo IFCS/UFRJ surge em um momento de grande polariza√ß√£o no pa√≠s, onde as pessoas se sentem √† vontade para serem racistas. ¬†O Quilombo pretende ser um espa√ßo de organiza√ß√£o, debate e formula√ß√£o para a universidade, para acabar com o argumento de que ‚Äún√£o h√° racismo na UFRJ‚ÄĚ, como explica a t√©cnica-administrativa Sonia Reis, secret√°ria executiva do Programa de P√≥s-gradua√ß√£o em Filosofia (PPGF): ‚ÄúTenho 34 anos de universidade e sempre vivenciei as experi√™ncias dediscrimina√ß√£o sozinha e, conversando com os outros membros mais novos na UFRJ, reconheci o que sofri neles. Muitas vezes precisamos chegar ao limite para que alguma atitude seja tomada. Queremos interromper esse ciclo‚ÄĚ.

O Quilombo, composto em igualdade de representa√ß√£o entre t√©cnicos, docentes e discentes, pretende formar comiss√Ķes para atuar no IFCS como n√ļcleos permanentes de promo√ß√£o de debates, semin√°rios e acolhimento, al√©m de formular disciplinas e demais atividades acad√™micas para a gradua√ß√£o e p√≥s-gradua√ß√£o. “A gente quer conversar sobre isso, queremos ser ouvidos. A gente quer que o IFCS seja antirracista. Quanto mais esse assunto √© debatido, mais resist√™ncia ele fomenta. A import√Ęncia √© de resistir, de continuar, de seguir em frente”, diz Sonia.

SERVIÇO

O lançamento do Quilombo IFCS/UFRJ será transmitido pelo canal do YouTube do Coletivo de Pesquisas Decoloniais e Libertárias (CPDEL/UFRJ)e contará com a participação do professor e idealizador da iniciativa, Wallace de Moraes, da técnica-administrativa Sonia Reis, da diretora do Sintufrj e integrante da comunidade do IFCS, Damires França, além de lideranças e intelectuais dos movimentos sociais e de negritude. Confira a programação abaixo e não perca!

O sábado, 20 de novembro (20N), Dia da Consciência Negra será celebrado em todo o país com atos de protestos articulados pelo movimento Convergência Negra e o Comitê Nacional Fora Bolsonaro. No Rio de Janeiro a programação começa às 7h, com a lavagem do busto de Zumbi dos Palmares, na Avenida Presidente Vargas, culminando com a tradicional Marcha da Periferia em Madureira, às 13h.

Para mais informa√ß√Ķes acesse CT Comunica√ß√£o/atividade https://chat.whatsapp.com/BRHDdF8ERsLG0KkXohN3m3

 

 

 

Atos já estão marcados no Brasil e do exterior para este feriado de 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, e também de dizer #ForaBolsonaroRacista. Confira onde tem ato e participe

17 Novembro, 2021. Escrito por: Andre Accarini | Editado por: Marize Muniz

 

REPRODUÇÃO

‚ÄúFora Bolsonaro Racista‚ÄĚ. Este ser√° o grito que se ouvir√° nas ruas de todas as capitais e v√°rias cidades do pa√≠s e do exterior neste s√°bado, 20 de novembro, feriado em que se celebra o Dia da Consci√™ncia Negra. Confira abaixo a lista de cidades onde j√° tem atos marcados.

Este ano, no Dia da Consci√™ncia Negra, os manifestantes v√£o levar √†s ruas as pautas da classe trabalhadora e as da luta antirracistano Brasil. As mobiliza√ß√Ķes organizadas pelos movimentos negros ser√£o unificadas com os atos pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro.

‚ÄúTrabalhadores e trabalhadoras estar√£o nas ruas porque n√£o aceitam mais este governo que j√° ceifou a vida de mais de 600 mil pessoas, um governo que promove a fome, o √≥dio e a cada dia, provoca mais trag√©dias e destrui√ß√£o‚ÄĚ, diz o presidente da CUT, S√©rgio Nobre, convocando a classe trabalhadora a participar dos atos.

A unifica√ß√£o das lutas neste ato #20NForaBolsonaroRacista, que tem tamb√©m pautas como a gera√ß√£o de emprego decente, pelo fim da fome e da mis√©ria e contra a pol√≠tica econ√īmica do governo Bolsonaro foi consenso entre as entidades que integram a Campanha Nacional Fora Bolsonaro e as que organizam, j√° h√° alguns anos, os atos de 20 de novembro. Entre elas, a Coaliz√£o Negra por Direitos.

A secret√°ria-Adjunta de Combate ao Racismo da CUT, Rosana Fernandes, refor√ßa que as principais pautas da classe trabalhadora, que tornam urgente o impeachment de Bolsonaro, s√£o pautas que, na verdade, impactam mais a popula√ß√£o negra. ‚ÄúA fome e a mis√©ria est√£o nas periferias, onde a maioria da popula√ß√£o √© negra, discriminada e historicamente com menos oportunidades na sociedade‚ÄĚ, diz a dirigente.

Os protestos j√° est√£o organizados em mais de 60 cidades at√© o momento ‚Äď tanto no Brasil quanto em cidades do exterior. Ainda h√° coletivos, sindicatos e organiza√ß√Ķes que est√£o em processo de prepara√ß√£o de atos, que posteriormente ser√£o divulgados.

Nas redes

Al√©m ruas, os protestos ser√£o feitos tamb√©m nas redes sociais com a hashtag#20NForaBolsonaroRacista. O secret√°rio de Comunica√ß√£o da CUT, Roni Barbosa convoca todos que n√£o tiverem condi√ß√Ķes de ir √†s ruas neste s√°bado a se mobilizar nas redes sociais protestando contra o desgoverno Bolsonaro.

‚ÄúTodos aqueles e aquelas que acreditam que uma sociedade mais justa, igualit√°ria, sem discrimina√ß√£o e preconceito √© poss√≠vel, t√™m de fazer sua parte neste dia ‚Äď exigir o fim do governo Bolsonaro. Um Brasil melhor s√≥ √© poss√≠vel com este genocida fora do poder‚ÄĚ, diz o dirigente.

Confira a lista de cidades onde j√° tem atos marcados.

 

RJ – Rio de Janeiro – Viaduto Negr√£o de Lima (Viaduto de Madureira) | 13h

 

Norte

AP РMacapá РPraça Veiga Cabral | 15h

RR РBoa Vista РPraça do Centro Cívico | 8h

Nordeste

BA – Itabuna – Jardim do O Centro | 9h

BA – Salvador – Campo Grande | 13h

CE РFortaleza РPraça da Bandeira | 8h

MA – Santa In√™s | Pra√ßa da Matriz (em frente a Caixa Econ√īmica) | 7h30

MA РSão Luís РPraça do Viva Liberdade | 15h

PB – Jo√£o Pessoa – Lyceu Paraibano | 9h

PB – Jo√£o Pessoa – Teatro Santa Rosa | 14h (Ato em 19/11)

PE – Afogados da Ingazeira – Ato Unificado Sert√£o do Paje√ļ – Concentra√ß√£o STR | 7h30

PE – Recife – P√°tio do Carmo | 14h

PI РTeresina РPraça da Liberdade | 16h

PI – Teresina – Parque da Cidadania | 16h

RN РMossoró РPraça da Pax | 8h

RN – Natal – Midway | 15h

SE РAracaju РPraça da Abolição (Bairro América/Nos fundos da Loja Havan) | 15h

Centro-Oeste

DF РBrasília РMuseu Nacional | 15h

GO РFormosa РPraça Rui Barbosa | 16h    

GO РRio Verde РPraça da Vila Promissão | 15h30

MS РCampo Grande РPraça Ary Coelho | 9h

MT – Cuiab√° – Beco do Candeeiro | (Aguardando infos)

Sudeste

ES – Pedro Can√°rio – (Aguardando infos)

ES РSapê do Norte РRegião das Comunidades Quilombolas de Linharinho | 8h

ES РVitória РAto na Quadra da Escola de Samba Independente de São Torquato | 10h

ES РVitória РPraça de Gurigica | 15h

MG – Alto Jequitib√° – (Aguardando infos)

MG РBarbacena РPraça do Rosário | 15h

MG РBelo Horizonte РPraça da Liberdade | 15h

MG РDivinópolis РQuarteirão fechado da Rua São Paulo | 8h30

MG РGovernador Valadares РPraça Principal do Bairro Conquista | 8h

MG РIpatinga РEm frente à escola Arthur Bernardes | 8h30

MG РJuiz de Fora РPraça da Estação | 10h

MG РLuz РAtos no Município | 13h

MG РMontes Claros РPraça Doutor Carlos | 8h

MG РOuro Preto РPraça em frente ao Barroco | 9h30

MG РPará de Minas РPraça da Matriz | 10h

MG РPouso Alegre РPraça da Catedral | 10h

MG РSantos Dumont РPraça Cesário Alvim | 10h

MG – S√£o Jo√£o del Rei – Coreto | 15h30

MG РSão Sebastião do Paraíso РPraça da Abadia | 10h

MG – Uberaba – Quadra de Esportes Uberaba I | 9h30

SP РGuarulhos РPraça do Stella | 8h30

SP РIlhabela РPraça da Mangueira | 15h

SP РJacareí РAto Praça Marielle Franco | 18h (Ato em 19/11)

SP РJundiaí РPraça do Gabinete de Leitura Rui Barbosa | 9h

SP РMarília РIlha da Galeria Atenas | 10h

SP РMauá РPraça do Relógio, Próx. Estação CPTM | 10h

SP – Pindamonhangaba – Rua Antifascista, Travessa Rui Barbosa, 37 | 9h

SP РPraia Grande РPraça Helena Cardozo Bernardino (Pça P1 РSamambaia) | 14h30

SP – S√£o Carlos – Mercad√£o | 9h

SP – S√£o Paulo – MASP | 12h

Sul

PR РCuritiba РLargo da Ordem/Praça João Candido | 15h

PR РLondrina РCalçadão, entre a Hugo Cabral e Pernambuco | 9h

RS РPorto Alegre РLargo Glênio Peres | 15h

SC – Florian√≥polis – Pra√ßa da Alf√Ęndega | 9h

SC РLages РPraça João Costa (Calçadão) | 9h

No Exterior

Alemanha РBerlim РPariser Platz | 12h até 13h40 (horário local)

It√°lia – Roma – Piazza della Repubblica | 17h (hor√°rio local)

It√°lia – Roma – Via Monte Testaccio 22 | 20h (hor√°rio local)

Portugal РPorto РCentro Português de Fotografia ( Largo amor de Perdição) l 15h

Suiça РGenebra РQuai Wilson, 1201 enface du Palais Wilson, cotê lac | 11h às 13h (horário local)

 

 

 

Percentual de crianças que se alimentam três vezes ao dia caiu de 76% antes do golpe para 26% com Bolsonaro

Publicado: 17 Novembro, 2021. Escrito por: Redação CUT

Imagem: ARQUIVO/AGÊNCIA BRASIL

Um dia após a divulgação dos dados sobre o crescimento da fome entre as crianças brasileiras, que aumentou depois do golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff (PT), o relato de uma professora publicado pela BBC News Brasil, revela a rotineira tragédia brasileira.

Uma garota de 8 anos desmaiou de fome em uma escola da rede p√ļblica do Rio de Janeiro, contou uma professora √† reportagem da BBC Brasil.

‚ÄúFui pegar algo para ela na minha mochila ‚ÄĒ porque eu sempre levo um biscoitinho ou uma fruta para mim mesma. Mas n√£o deu tempo. Ela desmaiou em sala de aula‚Äú, disse a professora.

A garota √© mais uma das milhares de crian√ßas ¬†v√≠timas da destrui√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas desde 2015.

Percentual de crianças que se alimentam 3vezes ao dia caiu de 76% antes do golpe para 26% com Bolsonaro

O percentual de crian√ßas de 2 a 9 anos que t√™m caf√© da manh√£, almo√ßo e jantar todos os dias no Brasil caiu de 62%, em 2018; para 28%, em 2019, primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro; e para 21%, no ano passado, patamar mais baixo dos √ļltimos seis anos. Este ano, o percentual √© de 26%.

Antes do golpe, 76% das crian√ßas brasileiras faziam as tr√™s principais refei√ß√Ķes ao dia. Em 2016, com o ileg√≠timo Michel

Temer (MDB-SP) na presidência, o percentual caiu para 42%. Em 2017, passou para 46% e, em 2018, subiu para 62%.

As informa√ß√Ķes foram divulgadas pela GloboNews, que com os dados do Sistema de Vigil√Ęncia Alimentar e Nutricional do Minist√©rio da Sa√ļde, por meio da Lei de Acesso √† Informa√ß√£o.

A estudante que desmaiou de fome no Rio é negra e estuda em uma escola próximo a um complexo de favelas na Zona Norte da capital fluminense.

Segundo a professora, o epis√≥dio aconteceu em setembro, quando a menina chegou √† sala de aula ‚Äúbem atrasada‚ÄĚ e com as m√£os geladas, embora o tempo estivesse quente.

‚ÄúEla sentou e abaixou a cabe√ßa na mesa. Eu estranhei e chamei ela √† minha mesa. Ela veio e eu perguntei se ela estava bem. Ela fez com a cabe√ßa que estava, mas com aquele olhinho de que n√£o estava. Perguntei se ela tinha comido naquele dia, ela disse que n√£o‚ÄĚ.

‚ÄúEu fiquei realmente sensibilizada por essa situa√ß√£o‚ÄĚ, conta a professora. ‚ÄúPor que √© isso: a fome. Uma fome que a crian√ßa n√£o sabe expressar a urg√™ncia. E que envolve muitas vezes a vergonha. Para ela √© algo humilhante, por isso ela n√£o consegue expressar.‚ÄĚ

Cenário se repete em todo o país

A reportagem ainda traz dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrando que o que ocorreu no Rio de Janeiro se repete em todo o país.

‚ÄúProfessores da rede p√ļblica de todo o Brasil relatam epis√≥dios semelhantes, num momento em que o pa√≠s soma 13,7 milh√Ķes de desempregados e a infla√ß√£o de alimentos consumidos em domic√≠lio acumula alta de mais de 13% em 12 meses‚ÄĚ, diz o texto.

Segundo professores de todo o país ouvidos pela jornalista Thais Carrança, os alunos com fome sofrem com perda de motivação e apresentam episódios de agressividade com colegas e educadores.

‚ÄúA gente respira fundo e vai fazer campanha para cesta b√°sica, para coleta de alimentos, para mant√™-los em sala de aula. Eu me sinto √†s vezes cansada, mas me sinto na obriga√ß√£o de me manter firme e fazer algo por essas crian√ßas, para que eles sintam que podem contar conosco, que n√£o seremos mais um a abandon√°-los‚ÄĚ, disse uma professora de l√≠ngua portuguesa na rede estadual do Paran√°, com quase 30 anos de profiss√£o.

Em outro caso na Zona Oeste do Rio, relatado por um conselheiro tutelar, uma menina de 7 anos agrediu um colega e xingou a professora.

‚ÄúEla havia agredido uma colega, depois desafiou a professora e, por fim, acabou tentando agredir a dire√ß√£o. A escola nos chamou para conversar com essa crian√ßa e sua fam√≠lia, para saber se se tratava de uma reprodu√ß√£o de viol√™ncia [quando uma crian√ßa agredida reproduz a viol√™ncia que sofre]. Mas, conversando com essa crian√ßa, ela nos relata vontade de comer‚ÄĚ, contou.

Em Sumar√©, a cerca de 100 quil√īmetros da capital paulista, uma professora de Educa√ß√£o F√≠sica relata que alunos desmaiam de fome durante as aulas.

‚ÄúCom a volta √†s aulas presenciais, depois da pandemia, temos observado v√°rios casos de alunos passando por necessidade. Casos de fome mesmo, de que o √ļnico alimento que o aluno tem √© na escola‚ÄĚ.

Em um dos casos, a professora diz que o aluno desmaiou em uma aula à tarde porque estava sem comer o dia todo.

‚ÄúN√≥s percebemos na educa√ß√£o f√≠sica, porque o aluno desmaiou na quadra. A√≠, conversando, ficamos sabendo que ele ainda n√£o tinha se alimentado naquele dia e j√° era o per√≠odo da tarde‚ÄĚ, relata aeducadora, explicando que, na escola estadual, h√° apenas uma refei√ß√£o por turno, na hora do intervalo (10h para os alunos da manh√£ e 16h para os da tarde).

Deixando o estudo para trabalhar

Outra realidade enfrentada nas escolas é a evasão dos alunos, que têm deixado as aulas para trabalhar e ajudar no sustento da família.

‚ÄúA partir dos 13, 14 anos est√° acontecendo essa evas√£o, que √© ainda mais grave no Ensino M√©dio. Acredito que, com o fim do aux√≠lio emergencial, isso pode aumentar‚ÄĚ, relatou a professora de Sumar√©.

‚ÄúTenho um aluno do 7¬ļ ano e a irm√£ dele est√° no Ensino M√©dio no mesmo col√©gio. Eles foram criados pela av√≥ e, no ano passado, ela faleceu devido √† covid e eles simplesmente ficaram √≥rf√£os. Eles n√£o t√™m nenhum recurso, ficaram na casa de parentes. E n√≥s temos v√°rios casos assim, s√£o muitos casos por turma. A escola est√° tentando monitorar para ver se essas crian√ßas est√£o bem, quem ficou respons√°vel por elas e se elas contam com alguma rede de prote√ß√£o‚ÄĚ, contou uma professora da rede p√ļblica do Paran√°.