If you’re looking for single gals, you’ll want to find a destination that’s friendly and filled with nightlife. An ideal option is usually Dublin, Ireland, which has a popularity for enticing holidaymakers and residents alike. It is simple to mingle with the locals inside the many bars in the city. These bars cater to a wide range of age ranges and are constantly safe and welcoming.

1 major big difference between American and Eu girls is that women in Europe are more physically fit and have curvy figures. Contrary to American young ladies, European girls are generally more comfortable viewing one person at a time. Also, they no longer view being asked out or producing other commitments as big deals.

During your time on st. kitts are no specific suggestions to attract Eu women, the continent has a tendency to attract guys who happen to be independent and assured. European women are also not wanting to settle for a one-night stand, and prefer steady relationships that last for many years. They also usually be very direct. This characteristic could be a detriment into a men. Nevertheless , if you’re looking for a long-term romance, you’ll find that Western european women are really loyal to their partner.

One of the best places to meet single American ladies is usually Paris. The metropolis is one of the the majority of romantic places on Earth, and so you’ll have no trouble finding a few sexy European women while you’re in town. Paris is additionally home for the Eiffel Tower and several superb nightlife locations. London is yet another great place in order to meet European ladies.

Western women are also known for staying extremely trendy and fashionable. Most of them include a strong perception of style and are familiar with current fashion trends. Not only is it gorgeous and charming, these kinds of women happen to be intelligent and like to talk. You’ll have a simpler time attaching with a single french women European wife if you’re a male of self-confidence.

Dating a ecu girl is a lot easier with the help of social media sites and online dating services services. Many of these dating sites convey more advanced features than just text messaging chat and let you send out virtual items. If you’re not comfortable with online dating, you can also make an effort more traditional methods, just like dating sites or personal advertisements. If you speak a words native to the European girls you are interested in, it can help you start a conversing with these people.

Another great alternative is to visit one of Europe’s many Christmas markets. Whilst Christmas markets are not specific to The european countries, they can be very popular and you should probably find plenty of single European ladies in these markets. Germany has some of the best Christmas markets in the world. One of my favorite trips is actually to visit the Christmas markets in Germany.

Asian ladies have a solid weakness for space. This is a characteristic that is ingrained in these people. This means that they are often susceptible to https://asiansbrides.com/kyrgyzstan-brides/ all kinds of strategies of wooing. In this post, we’ll speak about some strategies that can function to win over an Cookware girl.

A Assembleia do Sintufrj, ocorrida na sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022, decide pelo posicionamento contra a guerra que ocorre na Ucrânia. Os interesses desse processo são de disputa por hegemonia geopolítica nos marcos do capitalismo.

Contra a intervenção da Rússia e Contra a intervenção da Otan, dos Estados Unidos e da União Europeia!
Contra a ascensão de movimentos nazifascistas na Ucrânia!
Toda a solidariedade ao povo trabalhador ucraniano!

– No Brasil, seguimos sob ataques ultraneoliberais e antidemocráticos por parte do governo autoritário de Bolsonaro e Guedes

– A crise não dá sinais de trégua e a política do governo federal – além de não resolver os problemas políticos, econômicos e sociais – aumenta a miséria, a fome e o desemprego. O aceno que Bolsonaro faz de reajuste, o último foi de R$400,00 no “vale-alimentação”, tem motivação eleitoreira e pode causar impacto nas categorias. O governo e suas táticas não devem ser desprezados.

– Considerando esse cenário, a principal tarefa do movimento da classe trabalhadora deve ser a derrota desse governo e de sua política. Para isso, se faz necessário construir mobilizações de rua e outras ações políticas que permitam a organização dos processos de luta – todos são essenciais.
Reforçar os calendários já postos, como o 8 de março e o 14 de março (data da morte de Marielle Franco), dentre outras, mas importante construir demais agendas que permitam esse acúmulo.

– Não devemos menosprezar o papel político e a capacidade de mobilização do processo eleitoral. Nesse sentido, defendemos pontos programáticos estratégicos que permitam aglutinar um conjunto de forças de esquerda para derrotar o governo de direita genocida e autoritário.

O processo de mobilização em nossa categoria tem sido muito difícil, por diversas razões. Além de debater essas dificuldades, para melhor combatê-las, devemos ter atenção aos sinais que a categoria tem dado. As atividades com maior participação foram as relativas à agenda interna. Todos estão indignados com a situação salarial. Assim sendo, o debate precisa ser tratado com a intensidade e o peso necessários.

Prontos programáticos a serem desenvolvidos:
Manifestação Nacional contra a Carestia, a fome e a miséria;

Рrevoga̤̣o da emenda constitucional do teto de gastos:

Рrevoga̤̣o da reforma trabalhista aprovada;

Рconstruir a greve unificada dos servidores p̼blicos federais;

– elaborar uma pauta específica sobre as questões ambientais;

– salário mínimo do dieese;

Рrecupera̤̣o do or̤amento das universidades;

– FORA BOLSONARO!

 

 

A assembleia estatutária on-line desta quinta-feira, 24, aprovou a prestação de contas do Sintufrj do período de novembro de 2017 a dezembro de 2021, por 2/3 dos votos dos presentes. Resultado da votação: 65% foram favoráveis, 32% contrários e abstiveram-se de votar 3%).

O resultado coroou o trabalho da gestão. A recuperação financeira do Sintufrj salta aos olhos, e pela primeira vez na história, toda a documentação está disponível mensalmente no Portal da Transparência, demonstrando que a contribuição da categoria é tratada com zelo e responsabilidade, e que o sindicato está livre do comportamento temerário com as finanças que vigorava na gestão anterior.

No dia 22 de fevereiro, o Conselho Fiscal se reuniu para conferir os balancetes e as respectivas notas de despesas, conforme sempre ocorreu mensalmente.

A Coordenação de Finanças da entidade foi elogiada pelos integrantes do Conselho Fiscal — instância eleita pelos sindicalizados e composta por representantes de mais de uma  corrente política que milita na UFRJ — pela transparência na prestação mensal das contas, assim como a equipe técnico-contábil pelo trabalho organizado que apresentou.

Inscreva-se para participar 

Inscreva-se para participar 

Conflito bélico no leste europeu envolve temas como o desenho da segurança na Europa, separatismo e energia

Militares da Ucr̢nia protegem quarteiṛo com pr̩dios do governo Kiev nesta quinta-feira (24) РSergei Supinsky / AFP

Para além das ações e discursos das últimas horas, que viu o exército russo entrar em território ucraniano, o conflito militar entre Rússia e Ucrânia envolve temas estratégicos como os limites da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), separatismo na Ucrânia e também a governança e distribuição de recursos energéticos.

OTAN

A Rússia alega que a Otan, e o país com maior poderio bélico da aliança militar, os Estados Unidos, romperam um trato firmado após a Guerra Fria de não se expandir para além de seus limites quando da queda do Muro de Berlim.

A Otan e os EUA, por sua vez, negam esse acordo e desde o fim da União Soviética têm admitido países do leste europeu, inclusive ex-repúblicas soviéticas, na aliança militar.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, pede garantias de que a Ucrânia não entrará para a Otan, de que armas não serão posicionadas perto das fronteiras de seu país e também que a aliança retorne para níveis de “capacidade e infraestrutura para o nível de 1997”.

A Otan e os EUA negam retornar aos seus níveis do século XX, mas o presidente da França, Emmanuel Macron, e o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, concederam em declarações recentes que a Ucrânia deverá ficar fora da aliança militar.

“A Rússia se move conscientemente em direção a um conflito com o Ocidente, tenta conseguir do Ocidente que ele mude as regras do jogo em diversas esferas e busca reconstruir a ordem europeia que se formou após a Guerra Fria”, afirmou o analista-sênior do International Crisis Group para a Rússia, Oleg Ignatov, em entrevista ao Brasil de Fato na quarta-feira (23).

Qual o papel das repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk?

Outro elemento central para o conflito é o status das autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk. Ao anunciar a “operação militar” contra a Ucrânia, Putin disse que a Ucrânia comete um “genocídio” contras os russos étnicos do local.

A movimentação separatista na região começou após o golpe de Estado de 2014 na Ucrânia, quando estas regiões se proclamaram independentes do governo de Kiev e adotaram uma Constituição própria. No mesmo ano, a Rússia anexou a Crimeia, até então parte do território ucraniano.

Putin reconheceu os separatistas nesta semana e os limites territoriais dessa decisão são importantes. As posições controladas pelos rebeldes pró-Rússia são menores do que as fronteiras dos distritos de Donetsk e Lugansk em suas constituições oficiais pela visão ucraniana.

Putin já afirmou que reconhece os limites das Constituições das autodeclaradas repúblicas e que poderia discutir a questão fronteiriça com Kiev, mas é improvável que as autoridades ucranianas aceitem essa negociação, já que seria uma cessão razoável de território.

O conflito na Ucrânia entre os separatistas e as forças estatais de segurança já causaram cerca de 14 mil mortos.

Gasoduto interrompido

Rússia e Alemanha construíram um gasoduto de 9,5 bilhões de euros, cerca de R$ 54 bilhões, para no final da obra deixá-la com a torneira fechada. O Nord Stream 2 liga o oeste da Rússia, passando pelo Mar Báltico, até o nordeste da Alemanha, mas teve sua certificação suspensa por Berlim após a Rússia reconhecer os separatistas ucranianos.

A Rússia é responsável pelo fornecimento de cerca de 40% do gás natural da Europa e, assim como os europeus dependem do gás russo, a venda dessa comoddity também é central para a economia de Moscou.

“Bem-vindo ao admirável mundo novo, onde os europeus muito em breve pagarão 2.000 euros por 1.000 metros cúbicos de gás natural”, disse o vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitry Medvedev.

Edição: Arturo Hartmann

O apoio financeiro vai ajudar o setor a “se manter de pé em tempos pandêmicos”, diz José Guimarães, autor do relatório

Escrito en CULTURA el 

Por 411 votos a 27, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (24), o Projeto de Lei Complementar (PLP) nº 73/21, a Lei Paulo Gustavo, que libera R$ 3,8 bilhões para ações emergenciais de apoio à Cultura. O setor foi muito prejudicado durante a pandemia da Covid-19.

A proposta recebeu o nome de Paulo Gustavo, em homenagem ao ator e comediante, que morreu, aos 42 anos, vítima do coronavírus. O projeto já foi aprovado pelo Senado, que deve ratificar a aprovação, pois houve duas mudanças no texto.

O texto, proposto pela bancada do PT no Senado e de autoria do senador Paulo Rocha (PT-SP), foi relatado pelo deputado federal José Guimarães (PT-CE). A deputada Marília Arraes (PT-PE) apresentou, no dia 2 de fevereiro, requerimento para que a matéria fosse debatida na Casa.

Segundo Guimarães, a aclamação do projeto pelos parlamentares representa “uma vitória do parlamento e de todos aqueles que têm compromisso com a cultura”.

O deputado também enfatiza o marco histórico que a proposta representa. “Hoje, a Câmara mostrou que a cultura é um direito de fato. Foi um dia simbólico para a classe cultural, que teve o seu valor reconhecido com mais esse apoio financeiro para se manter de pé em tempos pandêmicos”, ressalta.

Maioria dos recursos vai para setor audiovisual

Dos 3,8 bilhões, R$ 2,79 bilhões serão destinados ao setor audiovisual e R$ 1,06 bilhão, para ações emergenciais no setor por intermédio de editais, chamadas públicas, prêmios, entre outros serviços.

O repasse dos recursos pela União deverá acontecer em, no máximo, 90 dias depois da publicação da lei.

Paulo Gustavo foi vítima da Covid-19.
Créditos: Divulgação

 

 

Na cidade Universitária, o Restaurante Central permaneceu aberto durante a pandemia, mas com todos os cuidados necessários contra o vírus da covid. A reabertura do bandejão do Centro de Tecnologia (CT), que é o RU satélite, está prevista para 14 de março, e o da Faculdade de Letras, 11 de abril.

Já os bandejões da Praia Vermelha e do Centro deverão reabrir no dia 4 de abril. Do campus de Duque de Caxias, em 11 de abril. 

A informação foi dada pelo pró-reitor de Gestão e Governança, André Esteves, na sessão do Conselho Universitário do dia 24 de fevereiro.  

“O da Letras, o RU Centro e o RU da Praia Vermelha são atendidos pela produção do nosso Restaurante Universitário Central. O de Caxias é outro contrato, que já está assinado e foi pactuado com a direção do campus e a empresa (que fornece a alimentação)  para a reabertura no dia 4 de abril”, concluiu.

Burguesão vai virar bandejão

A representante estudantil no Consuni, Julia Vilhena, foi a porta-voz da reivindicação dos estudantes da Cidade Universitária para instalar um outro bandejão no CT, no antigo espaço do famoso Burguesão. 

Segundo Júlia, a medida beneficiaria principalmente os estudantes do próprio CT e da Faculdade de Letras, que enfrentam filas intermináveis. Ela lembrou também as demandas de outras unidades, inclusive da UFRJ Macaé.

“Nós apoiaremos que o Burguesão venha a ser um restaurante universitário. A Reitoria deseja isso e vamos conversar com o Centro de Tecnologia e com as unidades do entorno para torne isso possível. Nosso objetivo é ampliar a assistência estudantil e essa é uma das medidas que gostaríamos de adotar nos próximos dias para garantir uma alimentação adequada”, respondeu a estudante o vice-reitor, Carlos Frederico Leão Rocha.

 

Bandejão de Letras – Foto: Marcos Fernandes/CoordCOM UFRJ

 

 

A UFRJ aprovou por unanimidade e aclamação, em sessão do Conselho Universitário (Consuni), no dia 24, a concessão do título de Doutor Honoris Causa para o compositor, cantor popular, escritor e advogado Nei Braz Lopes, a pedido da Faculdade Nacional de Direito (FND). O título é concedido a personalidades nacionais e estrangeiras de alta expressão, com o requisito de ter sido o pleito objeto de análise e aprovação da Congregação da Unidade e do Conselho de Centro.

Coleção de títulos

Nei Lopes já possui dois títulos de Doutor Honoris Causa concedidos pela Universidade Federal Rural, em 2012, e pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 2017. “Mas, por ter sido formado no curso de Ciências Jurídicas e Sociais da Faculdade Nacional de Direito em 1966, o título honorífico pela UFRJ é expressivo para o carioca Nei Lopes, pois é um reconhecimento de sua trajetória nas culturas africanas e carioca pela instituição que o formou e pela cidade na qual vive intensamente”, diz o parecer da Comissão de Ensino e Títulos do Consuni.

“Do Nei Lopes pesquisador do samba e da temática africana, da luta contra a discriminação da população negra que entrelaça práticas de violação de direitos sociais, culturais e econômicos com as práticas de desrespeito de seus direitos civis e políticos, contamos com pelo menos 20 obras, produzidas no recorte temporal entre 1981 e 2019”, diz o texto da comissão, citando títulos como O samba, na Realidade (1981), Bantos, Malés e Identidade Negra (1988), O negro no Rio de Janeiro e sua tradição musical (l992), Dicionário Banto do Brasil (1996), Enciclopédia brasileira da diáspora Africana (2004 e 2011), e Afro-Brasil reluzente: 100 personalidades notáveis do século XX (2019).  

 

Foto: Jefferson Mello/Dilvulgação

 

 

O Grupo de Trabalho destinado a examinar o impacto orçamentário-financeiro decorrente da implementação de pisos salariais para os profissionais de Enfermagem, fixados no Projeto de Lei nº 2564/2020, aprovou, nesta quarta-feira, 23, por unanimidade, o relatório do deputado Alexandre Padilha (PT-SP) 

A proposta fixa o piso salarial de enfermeiros em R$ 4.750,00; o de técnicos de enfermagem em R$ 3.325,00; e o de auxiliares e de parteiras em R$ 2.375,00. 

São mais de 2,5 milhões de profissionais da ciência do cuidado em todo o Brasil, isto é, a Enfermagem, sendo a maioria mulheres. 

O impacto financeiro do projeto é de R$ 16,31 bilhões e o GT foi unânime em destacar a necessidade de reconhecimento da categoria, ainda mais após a sua atuação na pandemia, assim como defender a viabilidade do pagamento. São mais de 30 anos de luta da Enfermagem pelo piso. A reunião virtual foi acompanhada por cerca de 6 mil pessoas.

Na UFRJ

A universidade tem nove hospitais que agrega centenas de profissionais da saúde.

“A aprovação do piso traz sim seus benefícios, mas não é o que a categoria precisa diante das suas necessidades. No entanto é muito importante. É uma luta de muitos anos e pode tirar muitos colegas daquela situação de vulnerabilidade salarial. Porque muitos trabalham recebendo abaixo do piso e até mesmo abaixo do salário-mínimo, atuando com cargas horárias extensas e em mais de um emprego para conseguir sustentar sua família”, avaliou o técnico de enfermagem do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), a maior unidade hospitalar da UFRJ, Marcos Padilha. 

Marcos vai fazer cinco anos no HUCFF em setembro. Já passou pela Clínica Médica e pela Infectologia. Agora trabalha na Psiquiatria atuando em cuidados clínicos de atenção ao paciente.

8 de Março: todos a Brasília!

A pressão aumenta para a aprovação do PL no plenário da Câmara dos Deputados. O projeto já foi aprovado no Senado e se aprovado na Câmara segue para sanção presidencial. Para 8 de março — Dia Internacional da Mulher, data incorporada para mobilização dos movimentos sociais e trabalhadores, incluindo os servidores públicos federais em campanha salarial unificada — os enfermeiros de todo o país irão a Brasília para reivindicar a aprovação do piso salarial.

Piso é viável

Na apresentação do relatório, no dia 22, Alexandre Padilha, ex-ministro de Lula e ex-ministro da Saúde de Dilma, afirmou que a estimativa encontrada buscou reduzir divergências entre os levantamentos apresentados ao grupo de trabalho pelo Ministério da Saúde, pelos conselhos de secretários estaduais e municipais de saúde, por entidades do setor e por institutos de pesquisa.

“Chegamos a um número bastante consistente. Tanto que a entidade que representa o fórum de enfermagem e os estudos apresentados por hospitais privados chegam a mesma escala de valor. No entanto, não chegamos a nenhum valor superior a R$ 20 bilhões e, muito menos, a valores acima de R$ 40 bilhões, como chegaram a apresentar aqui”, disse o deputado. 

Segundo Padilha, o impacto previsto representa 2,7% do PIB da Saúde em 2020, 10,88% do orçamento do Ministério da Saúde no mesmo ano e um acréscimo de apenas 2,02% na massa salarial anual dos contratantes. Ele destacou ainda que, no setor privado, o aumento de despesa corresponde a 4,8% do faturamento dos planos e seguros de saúde em 2020.

“È possível pagar”  

A estimativa do grupo de trabalho teve como premissas o uso da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) de 2020; a separação por setores econômicos; o cálculo integrado (piso de enfermeiros, técnicos, auxiliares e parteiras); a inclusão de encargos; e a diferença entre a remuneração atual e o novo piso, desconsiderando trabalhadores que já recebem o piso ou mais.

O deputado Mauro Nazif (PSB-RO), chegou inclusive a comparar o valor ao Orçamento Secreto. “Só o orçamento secreto é R$17 bilhões. Não tenho dúvida sobre a sua aprovação. É fazer justiça para a Enfermagem”.

A deputada do Rio de Janeiro, Jandira Feghali (PCdoB), reforçou que a tarefa agora é aprovar o piso no Congresso.

“Temos agora de fazer o trabalho político para esse relatório ser aprovado no plenário da casa. Vão surgir argumentos de regionalizar, mas piso é piso. Precisamos garantir que esse projeto seja aprovado. É uma demanda antiga e já está abaixo da expectativa da categoria. São décadas de luta, estou desde 1991 acompanhando-os lutando por isso. É necessário ter uma vitória agora.”

Feghali, na reunião anterior, enalteceu a categoria. “A enfermagem é a maior categoria na saúde, num SUS que atende milhões de brasileiros sendo o maior sistema de saúde universal do mundo. A análise do relator é justa, tendo como base a RAIS (Relação Anual de Informações Sociais), dados do Dieese e do próprio Ministério da Saúde. O impacto é distribuído e soma 16 bilhões e 300 milhões. É possível pagar. Queremos pautar, votar e aprovar o projeto. E se for vetado vamos trabalhar para derrubar o veto”, declarou Jandira Feghali.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), que já foi dirigente da Fasubra, defendeu a convocação imediata pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), para a votação do PL. 

“Agora vamos cobrar a urgência para a votação no Plenário da Câmara”. Segundo Alice, o impacto significa 12% da folha do setor privado e no setor federal 004%. 

“O relatório apresentado pelo deputado Alexandre Padilha é muito sólido e demonstra que não há exorbitância: O piso é possível! Na verdade R$ 16 bilhões para um país de trilhões e para o serviço que é prestado por esse segmento não é algo absurdo. A verdade é que mais de 800 pessoas perderam as vidas nas cabeceiras dos leitos e a atuação dos profissionais da enfermagem tem sido indispensável para que o povo brasileiro venças uma sanha negacionista que tenta contaminar nossa gente. Na saúde ninguém tem piso. A Enfermagem, a maior categoria que leva nos seus ombros o dia a dia dos hospitais, UPAS, Postos de Saúde, tem sido ponta de lança na defesa dos interesses multidisciplinares da saúde. Portanto, essa é uma questão de justiça social, trabalhista e de reconhecimento no momento de emergência saúde e que a enfermagem respondeu com muita dignidade. Vamos solicitar a votação no plenário em regime de urgência”, afirmou a deputada Alice Portugal.

A coordenadora do GT, Carmen Zanotto (Cidadania-SC), ressaltou que a aprovação do piso é uma questão de justiça para a categoria.

“Todos foram unânimes em que deva existir um piso salarial. A arte de cuidar e assistir é uma escolha de vida. A enfermagem foi descoberta pelos brasileiros nessa pandemia. O que se aprovou aqui é o mínimo de dignidade que podemos dar a um conjunto de trabalhadores que não mediu esforços. Vamos buscar os caminhos para sua aprovação. Não serão os recursos que vão nos derrubar na aprovação do projeto”.

Com Agência Câmara de Notícias

 

Profissionais de saúde fazem manifestação por reajuste salarial em Três Corações (MG) — Foto: Reprodução/EPTV