O Sintufrj tem nova direção a partir desta quarta-feira, 25 de maio, cujo mandato vai se estender até 2025. Os novos diretores disputaram a eleição pela Chapa 20 Sintufrj de Luta Pra Categoria superando ainda no primeiro turno as duas outras chapas em disputa 

A Chapa 20 reuniu uma frente de forças que atuam no movimento da UFRJ obtendo 52% dos votos superando a Chapa 85 Ressignificar com 38% dos votos e a Chapa 10 Alternativa de Combate que obteve 9% dos votos. 

O pleito, at√≠pico, por causa da pandemia, ocorreu nos dias 18, 19 e 20 de abril, e pela primeira vez o Sintufrj usou urnas eletr√īnicas cedidas pelo Tribunal Regional Federal (TRE) que foram instaladas em 54 se√ß√Ķes espalhadas pelos campi da universidade. Tr√™s mil sindicalizados foram as urnas expressar o seu voto.

A festa da posse está marcada para 14 de junho, terça-feira, no auditório do CT.

 

 

A Coordena√ß√£o de Pol√≠ticas de Sa√ļde do Trabalhador (CPST) agora √© Superintend√™ncia Geral de Aten√ß√£o √† Sa√ļde do Trabalhador (Superast).¬†

O pró-reitor de Pessoal Alexandre Brasil disse que o objetivo foi tornar a estrutura mais enxuta e dar à Superast mais agilidade. 

Com a mudança de status da CPST, a superintendente Silvia Jardim passa a despachar diretamente com o pró-reitor de Pessoal.

Enquanto o povo tenta se virar como pode com o aumento do custo de vida aliado ao desemprego, a tropa de choque do governo Bolsonaro empurra goela abaixo da sociedade mais uma bomba: o Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 206/2019, que institui a cobran√ßa de mensalidade nas universidades p√ļblicas.¬†

De autoria do deputado bolsonarista general Peternelli (Uni√£o-SP), a PEC estava marcada para ser apreciada na Comiss√£o de Constitui√ß√£o e Justi√ßa e de Cidadania (CCJC) da C√Ęmara dos Deputados nesta ter√ßa-feira, 24, mas foi retirada de pauta devido a licen√ßa m√©dica do relator deputado Kim Kataguiri (Uni√£o-SP), atual presidente da Comiss√£o de Educa√ß√£o da C√Ęmara.¬†

Reação

Entidades estudantis como a Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG) e a União Nacional dos Estudantes (UNE), se manifestaram contra a proposta. Deputados de diferentes partidos da oposição também protestaram nas redes sociais, e os partidos emitiram nota contrária a PEC.

A deputada federal Maria do Ros√°rio (PT-RS) sugeriu que a CCJC promova audi√™ncia p√ļblica para discutir o tema, antes que o parecer seja votado. Aos gritos de ‚ÄúEduca√ß√£o n√£o √© mercadoria‚ÄĚ, ela foi apoiada por opositores √† proposta e por integrantes de movimentos estudantis que esperavam a vota√ß√£o da PEC no plen√°rio do colegiado.¬†

A sugestão de Maria do Rosário foi acatada pelo presidente da CCJC, Arthur Oliveira Maia (União-BA), e apoiada por demais membros da comissão, que agora realizará uma audiência para discutir o tema, antes de votar o parecer.

A PEC 

Esta PEC prev√™ alterar um trecho da Constitui√ß√£o¬†para estabelecer que as universidades p√ļblicas passem a cobrar mensalidades, mas garanta a gratuidade para estudantes que n√£o tiverem recursos suficientes.¬†O corte de renda ser√° definido pelo Poder Executivo e caber√° a uma comiss√£o da pr√≥pria universidade a an√°lise das gratuidades, respeitando os valores estabelecidos. A PEC n√£o detalha como este controle ser√° feito. A proposta obteve o n√ļmero de assinaturas de apoiamento necess√°rio.

Inaceit√°vel

A UNE, que sempre foi contra qualquer cobran√ßa de mensalidade em universidade p√ļblica, criticou no Instagram a forma sorrateira como o projeto foi colocado para vota√ß√£o na CCJ e denunciou o retrocesso.

“N√≥s lutamos h√° d√©cadas para que a universidade tivesse a cara do povo, e como retrocesso primeiro atacaram as escolas com o ensino domiciliar, agora querem atacar as universidades. Ao inv√©s de investir na educa√ß√£o, o governo Bolsonaro prop√Ķe acabar com ela.‚ÄĚ

Riscos

O PSB alerta para o risco de redu√ß√£o de investimento p√ļblico nas universidades federais, al√©m da falta de crit√©rios espec√≠ficos que determinem o p√ļblico-alvo da cobran√ßa e como ela seria feita.

“A Constitui√ß√£o Federal tem por princ√≠pio a gratuidade do ensino p√ļblico como instrumento de promo√ß√£o social, de desenvolvimento humano e cient√≠fico do pa√≠s. Criar subgrupos nas universidades, dos alunos que podem pagar e dos alunos que n√£o podem pagar, ir√° criar ‘castas’ nas universidades, enfraquecendo os estudantes quando da busca por melhores condi√ß√Ķes de ensino, por exemplo”, defende o partido em nota.

O PSOL afirma que a PEC 206 pode dificultar o acesso de estudantes com menos poder aquisitivo¬†ao ensino superior p√ļblico, bem como¬†refor√ßa a ideia de que os gastos com educa√ß√£o superior p√ļblica s√£o sup√©rfluos.

“O projeto ignora a amplia√ß√£o de cotas sociais e raciais para o ensino superior, ignora a discuss√£o de pol√≠ticas p√ļblicas a fim de viabilizar a matr√≠cula e perman√™ncia de estudantes provenientes das classes sociais mais vulner√°veis, buscando apenas criar embara√ßos para o regular funcionamento das institui√ß√Ķes de ensino p√ļblicas como, justamente, √≥rg√£os p√ļblicos”, diz.

 

 

IPCA-15 desacelerou em maio, ap√≥s registrar 1,73% em abril, mas √© o maior √≠ndice dos √ļltimos seis anos e a alta acumulada em 12 meses atinge 12,20%, a maior desde novembro de 2003

 Publicado: 24 Maio, 2022 Р10h24 | Última modificação: 24 Maio, 2022 Р10h34 | Escrito por: Redação CUT | Editado por: Marize Muniz

REPRODUÇÃO AUTORIZADA PELO AUTOR

Documento de militares, entregue ao vice-presidente, vaza, internautas se revoltam com proposta de acabar com a gratuidade do SUS e sobem a hashtag #Calaabocamilico

 Publicado: 24 Maio, 2022 Р11h48 | Última modificação: 24 Maio, 2022 Р12h23 | Escrito por: Redação CUT | Editado por: Marize Muniz

REPRODU√á√ÉO/INSTITUTO GENERAL EDUARDO VILLAS B√ĒAS

Corte decidiu que segurados que receberam benef√≠cios por meio de tutela antecipada e perderam a√ß√£o contra o INSS na Justi√ßa ter√£o de devolver o dinheiro. Especialista em previd√™ncia diz que decis√£o √© ‚Äėcruel‚Äô

 Publicado: 24 Maio, 2022 Р09h04 | Última modificação: 24 Maio, 2022 Р09h09 | Escrito por: Andre Accarini | Editado por: Marize Muniz

MARCELLO CASALL/AGÊNCIA BRASIL

Trabalhadores e trabalhadoras que acionaram o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na Justi√ßa para ter direito a benef√≠cios e perderam as a√ß√Ķes, ter√£o de devolver os valores recebidos antecipadamente. A decis√£o, tomada pelo Superior Tribunal de Justi√ßa (STF) no dia 11 de maio, √© injusta e cruel, diz especialista em previd√™ncia.

A devolução dos recursos recebidos no período da chamada tutela antecipada vale para processos de trabalhadores que reclamam na Justiça o direito a benefícios previdenciários por incapacidade e assistenciais negados pelo INSS, e que conseguiram, por meio de liminares, o direito de receber os benefícios até a decisão final da Justiça.

Tutela antecipada é uma decisão intermediária da Justiça dada por um Juiz, que entende que há necessidade de sobrevivência, manutenção de tratamento médico, além de despesas familiares em momentos críticos em que o trabalhador perde o emprego e a renda por estar incapacitado ou inapto ao trabalho.

Ao conceder a tutela, os juízes levam em consideração a possiblidade de a decisão do INSS, de negar o benefício ao trabalhador que precisa daquele dinheiro para sobreviver, ser revertida.

‚ÄúO segurado pede o benef√≠cio porque precisa. Se o Juiz concedeu essa tutela foi em fun√ß√£o de necessidades inadi√°veis. Portanto, uma decis√£o de outra inst√Ęncia coloca em risco a sobreviv√™ncia desse segurado‚ÄĚ, afirma o pesquisador da Universidade de Bras√≠lia (Unb), Rem√≠gio Todeschini, que √© especialista em Previd√™ncia.

Para o pesquisador, a decis√£o √© um contrassenso j√° que o gasto desse segurado se deu para que pudesse se manter. ‚Äú√Č tamb√©m contr√°ria √† prote√ß√£o social constitucional dada pelo combate persistente da pobreza no Brasil‚ÄĚ, diz.

A obrigatoriedade da devolução, imposta pelo STJ, é injusta e cruel. Esse entendimento do STJ mostra que o Tribunal não está em sintonia com os princípios constitucionais que fortalecem o Estado Democrático de Direito e se alinha às maldades do neoliberalismo e contrária à distribuição de renda

РRemígio Todeschini

√Č preciso considerar que os benef√≠cios, entre aposentadorias e aux√≠lios, pagos pelo INSS a mais de 30 milh√Ķes de brasileiros t√™m acima de tudo o prop√≥sito da prote√ß√£o social e redu√ß√£o da pobreza no pais, diz Rem√≠gio. Segundo ele, a maior parte desses benef√≠cios √© pago em pequenos munic√≠pios, onde, habitualmente, a renda per capita √© menor do que em grandes centros.

Julgamento

O STJ vinha analisando a proposta de revis√£o do ‚ÄúTema 692‚ÄĚ, que se refere √† obriga√ß√£o do autor da a√ß√£o a devolver os benef√≠cios previdenci√°rios no caso de perda dessa a√ß√£o na Justi√ßa. O tema foi julgado em 2014, mas uma decis√£o do Supremo Tribunal Federal (STF) em um outro tema, o 709, entendia que valores recebidos n√£o precisavam ser devolvidos.

Desta forma houve uma jurisprudência e cortes de todo o país seguiram o entendimento de que a devolução, caso o segurado perdesse a ação, não era cabível. No entanto, houve recursos do INSS na Justiça e o caso foi parar no STJ novamente. Contrariando o STF, o STJ decidiu pela devolução.

Insegurança

Ainda que a devolu√ß√£o seja limitada a 30% do benef√≠cio, milhares de segurados dever√£o ser penalizados j√° que recebem apenas um sal√°rio m√≠nimo ‚Äď hoje de apenas R$ 1.212 – e muitos j√° t√™m o or√ßamento comprometido at√© mesmo na fonte, com os empr√©stimos consignados, limitados a descontos de 35% do valor do benef√≠cio.

Em entrevista √† Folha de SP, o advogado Fernando Gon√ßalves Dias, que defendeu os segurados no julgamento do ‚ÄėTema 692‚Äô, afirmou que somadas as duas porcentagens, ‚Äėcentenas de milhares de pessoas passar√£o a receber em torno de R$ 460 por m√™s.

O advogado afirmou ainda que cabe recurso e a defesa ir√° recorrer da decis√£o do STJ.

A orienta√ß√£o da CUT para trabalhadores que pretendem entrar com a√ß√Ķes contra o INSS √© procurar um advogado especialista em Previd√™ncia e orienta√ß√£o dos sindicatos para que possa ter seguran√ßa jur√≠dica tanto quanto ao direito ao benef√≠cio como nos casos de pedidos de tutela antecipada.

 

Desde 2020, renda dos bilion√°rios cresceu 42%, enquanto os 40% mais pobres perderam 6,7% dos ganhos

Publicado: 24 Maio, 2022 Р13h02 | Última modificação: 24 Maio, 2022 Р14h22 | Escrito por: Redação CUT | Editado por: Marize Muniz

©VLADIMIR PLATONOW/AGÊNCIA BRASIL

 

 

‚ÄúA elei√ß√£o de 2022 √© mais importante de nossas vidas, da nossa hist√≥ria. Se vamos ter elei√ß√£o democr√°tica daqui para frente, se vamos ter universidade com recursos, se vamos ter uma universidade onde se possa sonhar, produzir pesquisa e extens√£o. Tudo vai passar por esta elei√ß√£o de 2022‚ÄĚ.¬†

A afirma√ß√£o foi feita pelo deputado federal Marcelo freixo (PSB- -RJ), professor de hist√≥ria e pr√©-candidato ao governo estadual, durante o debate ‚ÄúCi√™ncia e Tecnologia para a Reconstru√ß√£o do Rio de Janeiro‚ÄĚ, organizado pela se√ß√£o sindical dos docentes (Adufrj) e pela Associa√ß√£o de P√≥s-Graduandos (APG) da UFRJ, no in√≠cio da tarde desta segunda-feira, 23, no hall do audit√≥rio do bloco A do CT.¬†¬†

foto: Regina Rocha

Al√©m de Freixo, participaram o presidente da Alerj, deputado estadual e pr√©-candidato ao Senado, Andr√© Ceciliano (PT-RJ), a coordenadora do F√≥rum de Ci√™ncia e cultura da UFRJ, Tatiana Roque, e a presidenta estadual da Funda√ß√£o Maur√≠cio Grabois, Dani Balbi. A inten√ß√£o das entidades √© dar continuidade √†s discuss√Ķes sobre o tema.¬†¬†¬†

Eleição será um plebiscito

Na avalia√ß√£o de Marcelo Freixo, o Brasil n√£o suporta mais quatro anos de fascismo, mais quatro anos de Claudio Castro e Bolsonaro. Segundo o¬† parlamentar, tanto o governador como o presidente da Rep√ļblica n√£o t√™m s√≥ uma alian√ßa pol√≠tica e, sim, um projeto de sociedade miliciana. E a elei√ß√£o de 2022 ser√° um plebiscito sobre a Constitui√ß√£o de 1988, se ela continuar√° valendo ou n√£o.¬†

‚ÄúO que est√° em jogo √© a chamada Constitui√ß√£o Cidad√£, que materializou a derrota da ditadura civil-militar‚ÄĚ, disse Freixo, lembrando que em todos os lugares do mundo foi no segundo mandato (de governos como o de Bolsonaro) que os regimes foram fechados.

O deputado Andr√© Ceciliano destacou a import√Ęncia da ci√™ncia e tecnologia para o Rio de janeiro. Ele citou especialistas da Coppe para chamar a aten√ß√£o para a import√Ęncia do desenvolvimento do estado, que precisa sair da in√©rcia e voltar a crescer. Movimento esse, segundo o candidato ao Senado, que depende do conhecimento que √© produzido na UFRJ.¬†

Dani Balbi, p√≥s-doutoranda da UFRJ, apontou o cen√°rio de resist√™ncia contra o desmonte da educa√ß√£o e a import√Ęncia do ensino p√ļblico para os jovens, que pode n√£o apenar garantir um futuro para as pr√≥ximas gera√ß√Ķes, como superar o atraso e contribuir para o desenvolvimento do pa√≠s.

Tatiana Roque disse que uma das principais tarefas hoje é manter a UFRJ e expandir a política de ampliação democrática, de interiorização e expansão da universidade com cotas para negros e indígenas. 

Estavam presentes no debate representantes da dire√ß√£o do Sintufrj, a reitora Denise Pires e o vice-reitor Carlos Frederico Rocha ‚Äď que pediu aten√ß√£o dos pr√©-candidatos para a universidade Elika Sakamoto, √† C√Ęmara Federal,¬† e a libera√ß√£o de recursos para o Museu Nacional –, e as pr√©-candidatas Elika Sakamoto, √† C√Ęmara Federal, e Marina de Souza, √† Assembleia Legislativa do Rio.¬†

 

 

 

Dinheiro destinado ao combate à Covid-19 em comunidades pobres foi usado na compra de equipamentos para aliados. Para CUT, decisão vai na contramão das necessidades dos pobres que vivem no campo

 Publicado: 23 Maio, 2022 Р15h24 | Última modificação: 23 Maio, 2022 Р17h05 | Escrito por: Rosely Rocha | Editado por: Marize Muniz

AGÊNCIA BRASIL / ARQUIVO

 

Burlando uma determina√ß√£o do Tribunal de Contas da Uni√£o (TCU), de maio do ano passado, de que os R$ 88,9 milh√Ķes que sobraram da transi√ß√£o do Bolsa Fam√≠lia para o Aux√≠lio Brasil deveriam ser destinados exclusivamente ao custeio de despesas com enfrentamento da calamidade relativa √† pandemia de Covid-19 e de seus efeitos sociais e econ√īmicos, o governo de Jair Bolsonaro (PL), simplesmente usou a verba para agradar aliados pol√≠ticos.

O dinheiro foi destinado pelo Minist√©rio da Cidadania, ent√£o comandado por Jo√£o Roma (PL) que se exonerou do cargo para se candidatar ao governo da Bahia, para a compra de 247 equipamentos entre tratores, motoniveladoras e p√°-carregadeiras para munic√≠pios de 23 estados, mas o estado do ex-ministro foi a campe√£o no n√ļmero de equipamentos: a Bahia recebeu 22, seguido do Maranh√£o com 19 e S√£o Paulo com 17.

Ministério ignorou 45 mil pobres que vivem no campo

Na distribui√ß√£o dos recursos, o Minist√©rio da Cidadania ignorou pedido da √°rea t√©cnica da pasta para incluir mais 45 mil fam√≠lias de extrema pobreza que vivem no campo em iniciativa de transfer√™ncia de recursos diretos, dentro do programa Fomento Rural, com investimentos de R$ 108 milh√Ķes.

Embora a infraestrutura seja parte importante da agricultura familiar, a maioria das propriedades é pequena e não cabe nem um trator, além disso, neste momento é preciso pensar em outras políticas para o desenvolvimento agrícola, afirma a secretária de Formação da CUT Nacional, Rosane Bertotti.

‚ÄúHoje, a principal necessidade dos agricultores √© cr√©dito para a produ√ß√£o de sementes e adubos. Por isso, que este ‚Äėinvestimento‚Äô do governo vai na contram√£o das necessidades da agricultura familiar‚ÄĚ, disse.

A dirigente condena a mudan√ßa do objetivo de recurso que retira a alimenta√ß√£o da mesa das fam√≠lias mais pobres. Para ela, o fato do governo Bolsonaro ter diminu√≠do de R$ 111 milh√Ķes, em 2021, para apenas R$ 25,3 milh√Ķes a verba destinada para o programa Inclus√£o Produtiva Rural, deste ano, mostra bem que a agricultura familiar nunca foi prioridade deste governo, assim como n√£o √© prioridade a popula√ß√£o pobre que vive no campo.

‚ÄúBolsonaro s√≥ privilegia o agroneg√≥cio, os grandes produtores de carne, soja e outras monoculturas. Ele n√£o se importa se a agricultura familiar √© respons√°vel por 70% dos alimentos que os brasileiros p√Ķem √† mesa. Ao contr√°rio, corta investimentos e cr√©dito e o resultado √© a infla√ß√£o dos alimentos. Est√° cada vez mais dif√≠cil para as fam√≠lias se alimentarem‚ÄĚ, critica Bertotti.

Entenda o caso

Para retirar o dinheiro dos pobres e destinar aos aliados pol√≠ticos, o minist√©rio da Economia, abriu um cr√©dito suplementar, em 3 de novembro de 2021, no Or√ßamento da Uni√£o para a a√ß√£o or√ßament√°ria “20GD -Inclus√£o Produtiva Rural”, que inclui o programa Fomento Rural, destinado a apoio t√©cnico aos agricultores e transfer√™ncia de dinheiro para as fam√≠lias rurais pobres, inscritas no Cadastro √önico (CAD√ļnico). Mas o governo preferiu comprar m√°quinas a atender milhares de fam√≠lias pobres e assinou, em novembro do ano passado, contrato para a compra dos equipamentos com a empresa chinesa XCMG, que no Brasil tem sede em Pouso Alegre (MG).

As m√°quinas est√£o paradas no p√°tio da XCMG, por que o minist√©rio da Cidadania n√£o concluiu as exig√™ncias t√©cnicas para escoar os equipamentos aos munic√≠pios, como a pr√≥pria defini√ß√£o de cidades e os termos de doa√ß√£o √†s prefeituras que ficar√£o respons√°veis pelos equipamentos, de acordo com o jornal¬†Folha de S√£o Paulo¬†que publicou a den√ļncia nesta segunda-feira (23).

Apesar da empresa n√£o ter recebido os pagamentos h√° press√£o dentro da pasta para que o dinheiro seja depositado para a XCMG, enquanto t√©cnicos do minist√©rio questionam as lideran√ßas pol√≠ticas sobre o atendimento dos tr√Ęmites legais.

 

Ministro Ciro Nogueira destinou R$ 240 mil para a compra de um caminh√£o de lixo fornecido pela empresa de uma amiga,¬†Carla Morgana Denardin, dona do Grupo M√īnaco Diesel Caminh√Ķes, √Ēnibus e Tratores. Ltda.

 Publicado: 23 Maio, 2022 Р09h45 | Última modificação: 23 Maio, 2022 Р17h04 | Escrito por: Redação CUT

JOS√Č CRUZ/AG√äNCIA BRASIL

Entre 2019 e 2022, o or√ßamento secreto para compras de caminh√Ķes de lixo com recursos do governo federal aumentou 833%, passando de R$ 24 milh√Ķes para R$ 200,2 milh√Ķes. O n√ļmero de ve√≠culos comprados saltou de 85 para 453 – alta de 532%, segundo reportagem do¬†Estad√£o, publicada neste domingo (22). Ao analisar 1,2 mil documentos referentes √† aquisi√ß√£o desses ve√≠culos, o jornal encontrou suspeitas de sobrepre√ßo de R$ 109,3 milh√Ķes. A diferen√ßa dos pre√ßos de compra de modelos id√™nticos, em alguns casos, chegou a 30%.

Em outra¬†reportagem publicada nesta segunda (23),¬†o jornal mostra que, por meio de emendas do relator, sem transpar√™ncia e sem que o nome do parlamentar conste no documento, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI), destinou R$ 240 mil para a compra de um caminh√£o de lixo fornecido pela empresa de uma amiga, Carla Morgana Denardin, dona do Grupo M√īnaco Diesel Caminh√Ķes, √Ēnibus e Tratores Ltda, para uma cidade pequena que n√£o comporta esse tipo de equipamento.

A emenda de Nogueira, senador licenciado, garantiu a compra de um caminhão compactador de lixo para atender a cidade de Brasileira (PI), que tem 8.364 habitantes. O equipamento é desaconselhado para municípios com menos de 17 mil habitantes por causa do alto custo, segundo especialistas. O ideal, nesses casos, seria caminhão basculante.

Com Bolsonaro, clientelismo político está em alta 

Desde que Ciro virou ministro, a empresa de Carla ampliou a venda de ve√≠culos compactadores de lixo para o governo federal e j√° conseguiu um contrato no valor de R$ 11,9 milh√Ķes com a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do S√£o Francisco e do Parna√≠ba (Codevasf).

O presidente da Codevasp √© Marcelo Moreira Pinto. Foi indicado pelo presidente da C√Ęmara, Arthur Lira (PP) e por Ciro Nogueira. A Codevasf est√° envolvida em v√°ria den√ļncias de corrup√ß√£o.

O que é o orçamento secreto?

O esquema do or√ßamento secreto, criado em 2019 por pol√≠ticos do Centr√£o e pelo governo de Jair Bolsonaro (PL), favorece aliados com verba em troca de apoio em vota√ß√Ķes, evitando, inclusive, que eventuais pedidos de impeachment sejam analisados.

S√≥ Arthur Lira, um dos l√≠deres do Centr√£o, que mandou milh√Ķes dessas emendas para aliados do seu estado comprarem, e ainda com superfaturamento, coisas como¬†kits de rob√≥tica para escolas sem internet e sem √°gua, segurou mais de 100 pedidos de impeachment.

Bolsol√£o do Lixo

De acordo com as reportagens do Estad√£o, assinada pelos jornalistas Andr√© Shalders, Julia Affonso e Vin√≠cius Valfr√©, o esquema, que j√° est√° sendo chamado nas redes sociais de¬†Bolsol√£o do Lixo, abastece pequenas cidades de redutos eleitorais de aliados do governo, funciona por meio de √≥rg√£os controlados pelo Centr√£o como a Superintend√™ncia de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), a Funda√ß√£o Nacional de Sa√ļde (Funasa) e principalmente a Codevasf.

Por meio de emendas do relator, o dinheiro √© remetido a apadrinhados pol√≠ticos, que fazem licita√ß√Ķes em muitos casos com pre√ßos superaturaados, como foi o caso dos kits rob√≥tica de Alagoas e dos caminh√Ķes de lixo.

No caso dos caminh√Ķes, a entrega do ve√≠culo geralmente √© feita em atos pol√≠ticos com a presen√ßa dos parlamentares, como fez Fernando Collor de Mello (PTB) em Minador do Negr√£o, no interior de Alagoas, em agosto de 2021.
“Em Minador do Negr√£o, na festa de 59 anos da cidade, anunciei a pavimenta√ß√£o asf√°ltica do centro da cidade at√© o Povoado Jequiri, um sonho antigo que finalmente sai do papel. Entreguei tamb√©m um caminh√£o compactador de lixo, um tratador e anunciei mais de R$ 850 mil para a Sa√ļde”, escreveu o senador junto com fotos em frente ao caminh√£o de lixo.

Segundo a reportagem, caminh√Ķes s√£o destinados a pequenas cidades sem qualquer plano para constru√ß√£o de aterros sanit√°rios, como determinado em lei. Em cidades, como Minador do Negr√£o, o caminh√£o √© muito maior que a capacidade de produ√ß√£o de lixo. Com 15 metros c√ļbicos, o munic√≠pio leva dois dias para encher a ca√ßamba do ve√≠culo, que custou R$ 361,9 mil.

Desde 2019, o governo j√° destinou R$ 381 milh√Ķes para essa finalidade.

Bolsol√£o do lixo bomba no Twitter; confira algumas postagens: